“Medida injusta” com “duplo efeito fiscal”. PSD critica aumento do ISP

O presidente do PSD, Luís Montenegro, criticou no domingo o aumento do Imposto sobre os Produtos Petrolíferos (ISP), considerando que esta é uma “medida injusta” e que tem tido um “duplo efeito fiscal”.

À saída de uma missa pelo 42.º aniversário da morte de Francisco Sá Carneiro, Adelino Amaro da Costa e acompanhantes na queda do avião em que seguiam, Luís Montenegro foi questionado pelos jornalistas sobre a decisão tomada pelo Governo na sexta-feira de reduzir o desconto no ISP este mês devido à queda dos preços.

“Desde que se iniciou esta espiral de aumento do preço dos combustíveis que relembrámos que o Governo do PS uma das primeiras medidas que tomou quando iniciou funções há sete anos foi aumentar o ISP”, criticou em declarações proferidas à saída da Basílica da Estrela.

Para o líder do PSD, esta é “uma medida injusta, uma medida que atinge todos por igual, uma medida que atinge não só o cidadão comum como a própria dinâmica empresarial da economia”.

“Ao longo do último ano, o que tem acontecido é que os sucessivos aumentos do ISP têm um duplo efeito fiscal: é esse imposto que sobe e é o IVA que sobe sobre o preço que inclui esse imposto”, referiu.

O PSD, de acordo com o seu líder, teve “ocasião muitas vezes de instar o Governo a tomar medidas no sentido de diminuir o ISP” e de “propor a diminuição do IVA dos combustíveis como da energia”.

“Infelizmente o caminho do Governo tem sido sempre este e tal como dizia há pouco, Francisco Sá Carneiro, quando definiu a matriz social-democrata do PSD tinha como grande finalidade que o Estado servisse os cidadãos e que o Estado desse aos cidadãos mais do que lhes pede. Ora, é exatamente o contrário do que faz hoje o PS”, comparou.

Na análise de Montenegro, o PS “tira aos cidadãos a maior parte da riqueza que eles criam, tira às empresas a maior parte da riqueza que elas criam e oferece em contrapartida o abandono pelos serviços públicos essenciais, como hoje infelizmente os portugueses sentem na saúde, na educação, no acesso à cultura, ao desporto”.

Os jornalistas questionaram ainda o presidente do PSD sobre o processo da eutanásia, e o líder do PSD garantiu que esta semana falará sobre o tema.

Questionado sobre o facto de ter chegado a defender o referendo, Montenegro disse apenas que não é de “mudar de convicções”, mas nada mais adiantou.

Recomendadas

PremiumContrato que prevê bónus milionário da CEO da TAP não é válido

JE revela contrato de Christine Ourmières-Widener: prevê exercício de funções até 2026 e bónus de até três milhões de euros. Mas não chegou a ser ratificado em AG da TAP.

PremiumLeia aqui o Jornal Económico desta semana

Esta sexta-feira está nas bancas de todo o país a edição semanal do Jornal Económico. Leia tudo na plataforma JE Leitor. Aproveite as nossas ofertas para assinar o JE e apoie o jornalismo independente.

Contrato da CEO da TAP: “Não é só falta de retificação, é falta de aprovação”

O advogado Rogério Alves reagiu à notícia avançada pelo Jornal Económico. O contrato de Christine Ourmières-Widener com a TAP não só não foi retificado em AG como não foi aprovado. “Isto politicamente tem um custo”, diz.
Comentários