Medina acusa partidos de tentarem “falsear” debate sobre pensões

O ministro das Finanças acusou hoje os partidos, nomeadamente à esquerda, de tentarem “falsear” o debate sobre a atualização das pensões, garantindo que irá apresentar no Orçamento do Estado para 2023 (OE2023) o quadro do impacto na receita.

Fernando Medina falava aos jornalistas à margem do 7.º Congresso dos Contabilistas Certificados, a decorrer entre hoje e dia 23 na Altice Arena, em Lisboa, quando garantiu que o Governo é “totalmente transparente” sobre a solução adotada para a atualização das pensões.

“Um sistema que tenha mais despesa é um sistema que vai antecipar a utilização de fundos de estabilização financeira da Segurança Social. É precisamente esta a questão central que está a motivar por parte de alguns partidos, e nomeadamente à esquerda, no fundo, uma tentativa de falsear o debate na opinião pública”, disse.

Em causa estão as críticas dos partidos depois do Governo ter enviado ao parlamento um documento elaborado pelo Gabinete de Estratégia e Planeamento (GEP) do Ministério do Trabalho e da Segurança Social que calcula que a atualização das pensões conforme a atualização automática e consequentes aumentos entre 7,1% e 8% a partir de 2023 iria antecipar os primeiros saldos negativos do sistema previdencial para o final da década de 2020.

Fernando Medina garantiu que o Governo irá integrar no OE2023 a simulação de dois cenários: qual seria o impacto na receita e na despesa com toda a atualização em 2023 e com a solução adotada pelo Governo.

Para ilustrar, o ministro sustentou que o sistema não se comporta da mesma forma com mais dois mil milhões de euros na despesa ou com mais mil milhões de euros.

Recomendadas

Líder da Fretilin propõe relação mais económica entre Portugal e Timor-Leste

Em entrevista à Lusa em Lisboa, Mari Alkatiri explicou que esse tem sido o tema das conversas com políticos portugueses, entre os quais o Presidente de Portugal, Marcelo Rebelo de Sousa, defendendo uma relação multilateral do quadro da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP).

Revista de imprensa nacional: as notícias que estão a marcar esta quarta-feira

“Governo vai mexer nos escalões do IRS no próximo ano”; “Polícias proibidos de disparar com balas reais contra multidões”; “22 mil milhões de euros para a banca”

Dívida pública federal dos EUA supera 31 biliões de dólares

Aproximando-se do limite legal de 31,4 biliões – um limite artificial colocado pelo Congresso à capacidade de endividamento do governo federal -, a dimensão da dívida confronta uma economia que enfrenta uma inflação elevada, taxas de juro em crescendo e um dólar forte. 
Comentários