Medina diz que redução da dívida pública será uma das “prioridades fundamentais”

O futuro ministro das Finanças, Fernando Medina, definiu hoje a redução da dívida pública como uma das suas “prioridades fundamentais”, considerando que ter “contas certas” é uma condição para ter “credibilidade internacional” e “melhores instrumentos de apoio à economia”.

Fernando Medina
Fernando Medina

O futuro ministro das Finanças, Fernando Medina, definiu hoje a redução da dívida pública como uma das suas “prioridades fundamentais”, considerando que ter “contas certas” é uma condição para ter “credibilidade internacional” e “melhores instrumentos de apoio à economia”.

“É uma das prioridades fundamentais. O país entende bem que as contas certas, as finanças saudáveis, são uma condição para nós termos melhores instrumentos de apoio à economia, de vida das famílias, das empresas, em todos os contextos e, principalmente, nos mais adversos”, frisou Fernando Medina, em declarações ao canal televisivo RTP, nos corredores da Assembleia da República.

O ex-autarca de Lisboa, que vai suceder a João Leão como ministro das Finanças, sublinhou que ter contas certas é um “ativo muito importante de credibilidade internacional, de melhoria das condições de financiamento”, fazendo, por isso, parte da “linha fundamental do ponto de vista político”.

Questionado se será um ministro das Finanças capaz de dizer “não”, Fernando Medina respondeu: “O Governo tem um objetivo muito claro e um programa muito claro relativamente à dimensão da consolidação das finanças públicas, de redução da dívida, na qual eu me revejo totalmente”.

“Foi a matriz desta governação nos últimos anos e será certamente a matriz dos próximos anos, com orientação do primeiro-ministro e com a minha condução direta na parte das finanças”, sublinhou.

Sobre questões relativas ao Orçamento do Estado ou a metas do défice, Medina recusou-se a responder, remetendo essas respostas para depois de tomar posse como ministro das Finanças, o que vai acontecer na quarta-feira.

O ex-presidente da Câmara de Lisboa Fernando Medina foi o nome escolhido por António Costa para o cargo de ministro das Finanças.

Antigo secretário de Estado dos governos de José Sócrates e presidente da Câmara de Lisboa entre 2015 e setembro de 2021, altura em que perdeu as eleições autárquicas para o social-democrata Carlos Moedas, Medina sucede a João Leão na pasta das Finanças.

 

Recomendadas

A maioria absoluta “surgiu no tempo errado”, diz Marques Mendes

O comentador político sublinha a falta de “energia” do Governo, já que o primeiro-ministro tinha planos de seguir para Bruxelas em 2023, mas as eleições antecipadas deixaram esfumar-se esse “calendário” de António Costa.

Jornadas Mundiais da Juventude. Sete polémicas sobre o evento que ainda nem começou

A polémica começou quando a autarquia de Lisboa atribuiu por ajuste direto o contrato para a construção do altar-palco por mais de seis milhões de euros.

JMJ. Rui Rocha contra “obras faraónicas de utilidade duvidosa”

O novo presidente da IL, Rui Rocha, pede “bom senso” na gestão da Jornada Mundial da Juventude (JMJ) e lembra que está em causa o dinheiro dos contribuintes, defendendo que “obras faraónicas de utilidade duvidosa” não fazem sentido.
Comentários