Medina: “Nunca neguei que a inflação gera perdas de poder de compra”

O Ministro das Finanças afirmou também que “o Governo não pode compensar tudo quanto são essas perdas do poder de compra”.

O Ministro das Finanças admitiu que nunca negou os efeitos da inflação, especialmente na perda do poder de compra das famílias, durante uma audição com a Comissão de Orçamento e Finanças.

Fernando Medina respondia a Bruno Dias do PCP que acusou o Governo de fazer “cortes brutais nos rendimentos da famílias”.

“Eu nunca neguei não só o que a inflação traz porque não podia negar essa evidência”, respondeu o governante, acrescentando que “o Governo não pode compensar tudo quanto são essas perdas do poder de compra”.

Ainda assim, Medina considerou a posição do PCP exagerada dado que o Governo avançou com diversas medidas. “Quando o Governo atualiza o salário mínimo – acima da inflação e vai atualizar nos próximos anos a fazê-lo desse modo -, quando faz um acordo de rendimentos na administração pública que atualiza essas remunerações em 5,1%, quando temos uma política que acresce para todos os trabalhadores e privados um redução de tributação em sede de IRS”, enumerou.

Medina destacou também destacou o “mínimo de existência, a nova tabela de retenções de retenção na fonte que não sendo uma diminuição de imposto acresce ao poder de compra que as famílias têm disponíveis, o alargamento do IRS jovem, o aumento do abono de família, o aumento da garantia infância”.

Relacionadas

Bruxelas está menos otimista do que o Governo, mas Medina diz que “está confortável” com previsões

“Estamos confortáveis e sustentamos as projeções que fazemos, que, aliás, estão muito alinhadas com as do CFP”, sublinhou Fernando Medina, em reação às projeções da Comissão Europeia.

“Não haverá nenhuma atribuição financeira” ao Novobanco, garante Medina

O ministro das Finanças sublinha o estatuto de independência do BCE mas defende que a coordenação entre a política monetária e a política orçamental entre os Estados-membros é chave para responder à inflação e ao risco de recessão. Quanto ao Novobanco, é categórico: não haverá novas injeções.

Ministro das Finanças defende trajetória do crescimento da economia como positiva

Em resposta ao PSD, Medina abordou a “trajetória do crescimento da economia portuguesa”, citando dados de 2022 e as projeções de hoje da Comissão Europeia relativamente a 2023″

OE2023: “Choque de preços continuará a marcar a vida de todos”, diz Medina

O ministro das Finanças, Fernando Medina, afirmou hoje que o choque de preços continuará a marcar a vida de todos, uma vez que, apesar de se prever uma redução no próximo ano, a inflação continuará elevada.

Inflação: Fisco já pagou mais de 4,4 milhões de apoios extraordinários

O ministro das Finanças, Fernando Medina, anunciou hoje, no parlamento, que a Autoridade Tributária já pagou 4,4 milhões dos apoios extraordinários aos rendimentos num total de 600 milhões de euros.
Recomendadas

Portugal e Espanha terão de continuar a ter “exceção ibérica” no preço do gás

O primeiro-ministro disse que tem de continuar a haver uma “exceção ibérica” para os preços do gás mesmo que seja criado um novo mecanismo europeu, porque Portugal e Espanha continuam a ser “uma ilha” energética.

Costa contraria ideia de empobrecimento e afirma que Portugal está a crescer mais do que Alemanha, França e Espanha

Dados de Costa surgem dias depois das previsões de Outono da Comissão Europeia, cujas mais recentes previsões indicam que em 2024 a Roménia ultrapassará Portugal no ranking de desenvolvimento económico da UE.

PremiumOCDE deixa quatro recados a Portugal, do PRR ao orçamento

A OCDE está menos otimista do que estava no verão quanto à evolução da economia portuguesa no próximo ano, tendo revisto em baixa a previsão de crescimento do PIB. Aproveitou também para alertar para a importância do PRR e da consolidação orçamental.
Comentários