Mais de meio milhão espera por aumento do salário mínimo

Mais de meio milhão de trabalhadores aguarda com expetativa o aumento do salário mínimo nacional (SMN) dos atuais 530 euros para um valor que deverá ser hoje discutido entre o Governo e os parceiros sociais, para vigorar em 2017.

O executivo socialista apresentou, no seu programa de Governo, uma proposta de aumento do SMN para a legislatura, começando pelos 530 euros em 2016 e terminando nos 600 euros em 2019.

Para chegar aos 600 euros em 2019, o SMN seria de 557 euros em 2017 e de 580 em 2018, mas nada está ainda decidido e o Governo ainda não falou em valores aos parceiros sociais.

O SMN esteve congelado nos 485 euros entre 2011 e outubro de 2014, quando aumentou para os 505 euros, na sequência de um acordo estabelecido entre o Governo, as confederações patronais e a UGT.

Segundo as estimativas do Governo, a subida do salário mínimo deverá beneficiar, pelo menos, 650 mil trabalhadores.

A instituição do SMN foi uma das conquistas de Abril de 1974 e beneficiou na altura cerca de metade dos trabalhadores portugueses, que passaram a ganhar 3.300 escudos por mês.

 

Recomendadas

Governo francês de Macron prioriza apoio às classes médias trabalhadoras

“Vamos concentrar mais as nossas ajudas para os franceses que trabalham e que se levantam cedo”, declarou o ministro de Ação e Contas Públicas, Gabriel Attal, que insistiu que se deve “agir para favorecer o trabalho” na França.

“Orçamento da Saúde para o próximo ano poderá não ser suficiente”, alerta Correia de Campos

O antigo presidente do Conselho Económico e Social destaca o aumento de 2,7% do orçamento para a Saúde para 2023 mas adverte que o mesmo não vai ser suficiente tendo em conta que não acompanha “nem a inflação, nem a manutenção do equipamento, nem o reforço salarial necessário”

Portugal e Espanha terão de continuar a ter “exceção ibérica” no preço do gás

O primeiro-ministro disse que tem de continuar a haver uma “exceção ibérica” para os preços do gás mesmo que seja criado um novo mecanismo europeu, porque Portugal e Espanha continuam a ser “uma ilha” energética.
Comentários