“Melhor Grande Seguradora Vida e Não Vida” é… a Fidelidade

A Fidelidade foi destacada no ranking das 500 maiores e melhores empresas da revista Exame, sendo distinguido com o duplo prémio de “Melhor Grande Seguradora” nos ramos Vida e Não Vida. Este reconhecimento é atribuído à Fidelidade após ter alcançado resultados líquidos históricos em 2014, no valor de 178,2 milhões de euros, e de o […]

A Fidelidade foi destacada no ranking das 500 maiores e melhores empresas da revista Exame, sendo distinguido com o duplo prémio de “Melhor Grande Seguradora” nos ramos Vida e Não Vida.

Este reconhecimento é atribuído à Fidelidade após ter alcançado resultados líquidos históricos em 2014, no valor de 178,2 milhões de euros, e de o grupo ter alcançado um crescimento sustentado na sua produção, com um aumento de 17,3% nos prémios de seguros brutos no ramo Vida, o que representou 281,95 milhões de euros, e de 1,7% no ramo Não Vida, na ordem dos 1,09 mil milhões de euros, em comparação com o ano anterior.

Ainda no que diz respeito a distinções, a empresa recorda ainda ter ter sido distinguida, em 2014, pelos Efma Accenture Innovation Awards na categoria de “sustainable business”, com o seu projeto “WeCare”, uma iniciativa que visa apoiar a correta reinserção de pessoas que foram vítimas de acidentes graves que puseram em causa a sua reintegração física, económica e social.

OJE

Recomendadas

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta segunda-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta segunda-feira.

Natal. 87% dos portugueses vão decorar as casas e só 27% querem reduzir na eletricidade

São 54% os portugueses que não pensam gastar dinheiro em novas decorações (19% prevê gastar até 25 euros e 16% prevê gastar entre 25 e 50 euros), de acordo com os dados revelados por um estudo da Klarna.

Angola estuda impacto social de fim dos subsídios ao preço dos combustíveis

Segundo Vera Daves, Angola está a analisar com o Fundo Monetário Internacional (FMI) e o Banco Mundial (BM) as “possíveis” medidas de mitigação do impacto social, porque as “preocupações mantêm-se” relativamente ao potencial impacto social da remoção dos subsídios aos combustíveis, que têm um preço muito baixo e não reflete a oscilação do mercado internacional.