Melhoria da perspetiva pela Fitch reforça a credibilidade financeira do país, diz Fernando Medina

A agência de notação financeira Fitch manteve o ‘rating’ de Portugal em ‘BBB’, mas melhorou a perspetiva de estável para positiva, tornando-se a segunda agência a fazê-lo este ano.

O ministro das Finanças considerou hoje que a melhoria da perspetiva da notação da dívida soberana portuguesa pela Fitch reforça a credibilidade do país e permite enfrentar a incerteza internacional e eventuais alterações de política monetária com maior confiança.

“A decisão da Fitch reforça a credibilidade financeira de Portugal e confirma a importância de continuarmos a implementar políticas que combinem a recuperação da economia, a sustentabilidade das contas públicas e uma estratégia de redução da dívida pública”, sublinha o ministro das Finanças, Fernando Medina, em comunicado divulgado hoje.

A agência de notação financeira Fitch manteve hoje o ‘rating’ de Portugal em ‘BBB’, mas melhorou a perspetiva de estável para positiva, tornando-se a segunda agência a fazê-lo este ano.

Para Fernando Medina, “esta melhoria decidida pela Fitch permite enfrentar a incerteza internacional e eventuais alterações de política monetária com confiança acrescida, suportada na política do Governo para defender as condições de financiamento das empresas, das famílias e da República”.

A agência de notação norte-americana destaca o desempenho orçamental de Portugal, recordando que o défice orçamental português atingiu 2,8% do PIB em 2021, abaixo dos 5,8% em 2020, e melhor do que a meta do Governo de 4,3% do governo.

Sublinha ainda que a maioria absoluta alcançada pelo Governo “cria” um cenário mais estável na elaboração de políticas, ao mesmo tempo que o coloca “numa posição forte para implementar a sua agenda orçamental e económica, que visa uma redução da dívida pública.

Recomendadas

Jerónimo critica Governo por recusar aumentar salários e travar escalada de preços

“Em vez de agir e decidir para travar a escalada dos preços e promover o aumento dos salários e reformas, fica-se pela política das meias-tintas”, criticou Jerónimo de Sousa, referindo-se ao Governo de António Costa.

Lagarde diz que criptomoedas “não valem nada” e devem ser reguladas

“A minha avaliação é que as criptomoedas não valem nada, são baseadas em nada e não há qualquer ativo subjacente que funcione como âncora de segurança”, avisou a presidente do BCE.

Ministro alemão apela a que países da UE tenham mais disciplina em termos orçamentais

Christian Lindner defende que o prolongamento da suspensão das regras orçamentais não pode servir como motivo para os países do bloco comunitário manterem as políticas mais relaxadas quanto aos gastos públicos.
Comentários