Menos 10 mil pais pediram apoio em dezembro para faltar ao trabalho para cuidar dos filhos

O número de pessoas que receberam prestações de assistência a descendentes caiu 20% em dezembro face a novembro, mostram os dados divulgados pelo GEP. E também o número de beneficiários do subsídio de doença recuou, no último mês do ano.

O número de pais que pediram apoio à Segurança Social para faltar ao trabalhar para cuidar filhos caiu mais de 20% em dezembro. Isto depois de ter disparado tanto em outubro, como em novembro, numa altura marcada pela propagação de vírus respiratórios.

De acordo com os dados divulgados pelo Gabinete de Estratégia e Planeamento (GEP) do Ministério do Trabalho, no último mês de 2022, 35.954 pessoas beneficiaram de prestações de assistência a descendentes. Tal significa que houve menos 9.356 pais nessa situação, o que corresponde a um recuo em cadeia de 20,6%.

Já em termos homólogos foi registada uma quebra de 12,6%, isto é, em dezembro de 2022 houve menos 5.186 beneficiários de prestações do género em questão do que em dezembro de 2021, mês em que a crise pandémica, recorde-se, verificou um agravamento por efeito da variante Ómicron.

Considerando somente o ano de 2022, note-se que o recurso a prestações de assistência a descendentes esteve em queda durante quatro meses, até que em outubro foi registada uma subida considerável. Nesse mês, o número de beneficiários ultrapassou a barreira dos 34 mil beneficiários.

E em novembro, esse universo voltou a crescer, ultrapassando a fasquia das 45 mil prestações pagas pela Segurança Socia. Importa salientar que o número de beneficiários de prestações para assistência a filhos só ultrapassou essa barreira e ambas foram registadas no ano passado.

Nestes números, estão incluídos o subsídio para assistência a filho, que corresponde a 100% da remuneração do beneficiário, mas também o subsídio para assistência a descendente menor ou deficiente, subsídio para assistência a deficientes profundos e doentes crónicos, e subsídio para assistência a filho com deficiência, doença crónica e por isolamento profilático por causa da Covid-19.

Prestações de doença também recuam

A par da trajetória referida do apoio aos pais, os dados mostram a evolução registada pelas prestações de doença: em dezembro, 135.857 mil pessoas tiveram direito a essa transferência da Segurança Social, menos 27,3% do que no mês anterior e menos 25,6% do que há um ano.

As prestações de doença, note-se, integram o subsídio de doença, o subsídio de doença profissional, o subsídio de tuberculose, a concessão provisória de subsídio de doença, as baixas por contágio e o subsídio por isolamento profilático (do próprio) pelo coronavírus.

Especificamente no que diz respeito ao subsídio por doença, 126.270 mil pessoas beneficiaram deste apoio em dezembro, menos 26,3% do quem em novembro.

“Esta prestação social foi processada a 52.064 pessoas do sexo masculino (41,2% do total) e 74.206 do sexo feminino (58,8% do total), apresentando-se este último em superioridade em todos os grupos etários considerados. O grupo etário dos 50 aos 59 anos era o mais representado, com 28,6%, seguido pelo grupo com idades entre os 40 e os 49 anos (26,1%), no conjunto de beneficiários do subsídio de doença”, detalha a nota divulgada pelo GEP.

Recomendadas

PremiumEfeitos base levam Portugal a liderar crescimento europeu

Os 6,7% de 2022 ficam bem acima dos 3,5% da zona euro e até da previsão de 6,5% do Governo, mas refletem um atraso na recuperação da economia nacional. Inflação voltou a recuar abaixo da europeia, mas core ainda preocupa.
gasolina_combustiveis_greve_motoristas

Governo mantém apoios aos combustíveis em fevereiro. Gasolina com maior desconto

Esta decisão significa que, em fevereiro, há um alívio na carga fiscal dos combustíveis. Considerando todas as medidas em vigor, a redução da carga fiscal passará a ser de 35,9 cêntimos por litro de gasóleo e de 34,8 cêntimos por litro de gasolina, refere o gabinete de Fernando Medina.

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta sexta-feira, 3 de fevereiro

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcaram o dia informativo desta sexta-feira.
Comentários