Menos crescimento e mais défice, prevê a OCDE para Portugal

A Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) continua a prever menos crescimento económico e mais défice orçamental que o Governo, tanto em 2014 como no próximo ano. De acordo com o ‘Economic Outlook’, hoje publicado, a OCDE antecipa que a economia portuguesa cresça 0,8% em 2014, abaixo da previsão de 1% do Governo, […]

A Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) continua a prever menos crescimento económico e mais défice orçamental que o Governo, tanto em 2014 como no próximo ano.

De acordo com o ‘Economic Outlook’, hoje publicado, a OCDE antecipa que a economia portuguesa cresça 0,8% em 2014, abaixo da previsão de 1% do Governo, e que o défice orçamental seja de 4,9%, acima dos 4,8% previstos pelo Executivo já segundo o novo Sistema Europeu de Contas.

Para 2015, a OCDE espera um crescimento de 1,3% e um défice orçamental de 2,9%, sendo que em ambos os casos as previsões são mais pessimistas do que as do Executivo em duas décimas.

De acordo com a proposta de Orçamento do Estado para 2015, o Governo aponta para um crescimento económico de 1,5% no próximo ano e para um défice de 2,7%, uma meta superior à definida com os credores internacionais durante o programa de resgate (de 2,5%).

Para 2016, a previsão da OCDE é de que a economia portuguesa acelere e que o Produto Interno Bruto (PIB) atinja um crescimento de 1,5% ao mesmo tempo que o défice orçamental se reduz para 2,3% do PIB.

As previsões hoje divulgadas pela OCDE estão em linha com as que a organização havia divulgado a 27 de outubro, quando apresentou o relatório específico sobre a economia portuguesa que é divulgado de dois em dois anos.

Nas previsões hoje divulgadas, a instituição liderada por Angel Gurría espera que a taxa de desemprego seja de 13,7% este ano e que caia gradualmente para os 12,8% em 2015 e para os 12,4% em 2016.

Estas estimativas são mais otimistas do que as do Governo de coligação PSD/CDS, que apontam para uma taxa de desemprego de 14,2% em 2014, de 13,4% em 2015 e de 14,2% em 2016.

Quanto à dívida pública, a previsão da OCDE é que continue a trajetória em alta este ano e no próximo, ficando nos 127,2% em 2014 e nos 128,1% em 2015.

Para 2016, espera-se que se inverta progressivamente a tendência de subida, antecipando a OCDE que o rácio da dívida sobre o PIB deverá cair para os 127,6%.

Comparando com as previsões já avançadas pelo Governo, as da OCDE são menos otimistas, umas vez que o Executivo espera que a dívida pública seja de 127,2% este ano, de 123,7% em 2015 e de 122,7% em 2016.

Em termos de contas externas, a OCDE prevê que em 2014 Portugal regresse a um défice externo equivalente a 0,4% do PIB depois de no ano passado ter registado um excedente de 0,5% do PIB. Para 2015 e 2016 a economia portuguesa deverá voltar aos excedentes atingindo, respetivamente, 0,4% e 0,9% do PIB.

Em termos de inflação, a OCDE prevê que a variação dos preços seja negativa em 2014 (-0,2%) e que volte a ser positiva em 2015 e 2016, com um crescimento de 0,2% e 0,4%, respetivamente.

OJE/Lusa

Recomendadas

OCDE. Escassez de energia pode levar a recessão na Europa e aumentar inflação em 1,5 pontos percentuais

Uma escassez de energia mais grave, especialmente de gás, poderia aumentar a inflação da zona euro em 1,5 pp (pontos percentuais) e reduzir o crescimento na Europa em mais de 1,2 pp, levando a uma recessão, alerta a OCDE.

OCDE mais pessimista para 2023 vê economia da zona euro crescer 0,3% e inflação de 6,2%

Nas previsões económicas intercalares divulgadas hoje, a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) revela-se mais otimista sobre o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) da zona euro deste ano, melhorando a estimativa em 0,5 pontos percentuais (pp.) face a junho, para 3,1%, mas cortou em 1,3 pp. a de 2023 para 0,3%.

OCDE mantém crescimento global deste ano de 3% mas corta o de 2023 para 2,2%

A OCDE manteve as perspetivas de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) mundial deste ano em 3%, prevendo que as economias do G20 cresçam 2,8% (menos 0,1 ponto percentual (pp.) do que em junho).