Menos paquetes significa menos 312 mil euros

O Porto do Funchal vai ter este ano menos navios de cruzeiro na noite de fim do ano.

Estão agendados nove paquetes contra os 11 que chegaram o ano passado à baía do Funchal, um dos quais decidiu em cima da hora trocar Canárias pelo porto madeirense.

Em termos percentuais estamos perante uma redução de 18,2% no número de escalas em comparação com o período homólogo do ano anterior.

Este ano, vão estar na Madeira os navios “Boudicca”, “AIDAcara”, “Queen Victoria”, “Magellan”, “Marco Polo”, “Oceana”, “Saga Pearl II”, “MSC Magnifica” e “AIDAblu”, que será o último a chegar.

Tendo em linha de conta a capacidade de transporte de cada navio estes nove paquetes têm um potencial para trazer ao afamado “reveillon” madeirense 13.595 passageiros. E virão, certamente, com as tripulações padrão compostas por 5.339 trabalhadores de bordo.

Em termos comparativos com o potencial que havia nos 11 navios que estiveram na Madeira no dia 31 de dezembro de 2015 estamos perante menos 4.464 passageiros (menos 24,7 % que os 18.059 passageiros do ano anterior) e menos 1.544 tripulantes (menos 22,6% que os 6.883 tripulantes de 2015).

Esta redução do número de passageiros pode ser traduzida em termos monetários. Tendo por base os 70 euros que cada turista dos cruzeiros deixa me média em cada escala na Madeira, os nove paquetes calendarizados traduzem um potencial de quase 1 milhão de euros que entrarão diretamente na economia insular. Um valor que não tem em conta as despesas de cada escala por parte das companhias no pagamento de taxas e serviços ao Porto do Funchal. Em concreto, poderá atingir os 951.650 euros de gastos na Madeira no próximo fim-do-ano.

Comparativamente com o ano anterior, serão menos 312.489 euros (quebra de 24,7 % que os 1.264.130 euros de gastos diretos na Madeira pelos passageiros dos diversos navios de cruzeiro).

A nível de curiosidades, podemos referir que navio mais comprido que vai estar na última noite do ano no Funchal será o “Queen Victoria”, com 294 metros, tendo logo atrás o “MSC Magnifica”, com 293,8 metros. Ao invés, o navio de cruzeiros mais curto vai ser o “Saga Pearl II”, com 164,4 metros. Os paquetes com mais boca, que em linguagem comum quer dizer largura, serão novamente o “Queen Victoria” e o “MSC Magnifica”, com 32,3 metros cada um. E, finalmente, o navio com o maior calado (a medida desde a linha de água até o fundo) será o “Marco Polo”, com 8,2 metros.

Os navios aportam bem cedo e, normalmente, deixam a baía depois do lançamento do fogo-de-artifício.

Recomendadas

Iniciativa Liberal critica construção de campo de futebol em Câmara de Lobos em momento de “enorme crise”

Para a Iniciativa Liberal tudo deveria estar concentrado na recuperação económica.

Madeira: Direção Regional da Saúde deixa várias sugestões para evitar doenças cardiovasculares

A Direção Regional de Saúde (DRS) salienta que as doenças cardiovasculares são a principal causa de mortalidade, no mundo, em Portugal e na Madeira. “A evidência científica demonstra que mudanças nos estilos de vida podem fazer a diferença na redução desta mortalidade”, diz a DRS.

Dificuldades em pagar as contas? Processo de insolvência singular pode ser um caminho

O consumidor em situação ou na iminência de incumprimento e sem qualquer perspetiva, a médio ou longo prazo, de que a sua situação financeira se altere poderá recorrer ao tribunal para pedir a insolvência singular.
Comentários