Menos pessimista, Fed antecipa queda do PIB de 2,4% em 2020

Reserva Federal norte-americana, que divulgou esta quarta-feira as projeções económicas, prevê agora uma queda de 2,4% da economia, o que compara com as projeções de setembro, que apontavam para uma quebra de 3,7%.

Kevin Lamarque/Reuters

A Reserva Federal norte-americana (Fed) está menos pessimista quanto à quebra do crescimento do PIB nos Estados Unidos. Segundo as projeções económicas de dezembro, que foram esta tarde divulgadas, o banco central antecipa agora uma contração de 2,4% do PIB norte-americana, o que compara com as projeções de setembro, que apontavam para uma quebra de 3,7%.

Para o próximo ano, a recuperação da economia ligeiramente mais acelerada do que estimado em setembro, uma vez que a instituição liderada por Jerome Powell prevê uma que a economia norte-americana cresça 4,2%, isto é, mais 0,2 pontos percentuais face às projeções anteriores.

Para os anos de 2022 e 2023, a Fed antecipa agora um crescimento de 3,2% e de 2,4%, respectivamente.

A Fed atualizou também as projeções sobre a taxa de desemprego e a taxa de inflação sendo que as novas previsões são agora mais otimistas face às projeções de setembro.

Este ano, a taxa de desemprego deverá atingir os 6,7%, abaixo da taxa de 7,6% prevista em setembro. Para 2021, a Fed projeta que o desemprego nos Estados Unidos atinja os 5% e, para 2022 e 2023, os 4,2% e os 3,7%, respectivamente.

Quanto à taxa de inflação, só em 2023 é que o banco central estima cumprir com o seu mandato de atingir a meta dos 2%, em linha com as projeções de setembro. No próximo ano, as projeções hoje divulgadas mantêm-se idênticas, estimando uma inflação, que vai ter uma tendência de crescimento em 2021 e 2022, atingindo os 1,8% e os 1,9%, respectivamente.

Recorde-se que o mandato da Fed tem um duplo mandato — o pleno emprego e a estabilidade dos preços, que envolve uma taxa de inflação de 2%.

A Fed anunciou esta quarta-feira a última decisão sobre política monetária, tendo mantido a taxa de juro diretora e o programa de compra de ativos inalterados. Jerome Powell dará uma conferência de imprensa esta tarde, na qual poderá reforçar o forward guidance, sinalizando as condições económicas que poderão lever a alterações no programa de compras. O presidente da Fed poderá ainda sinalizar uma transição para mais compra de dívida com prazos mais longos, para conter a recente subidas das yields dessas maturidades no mercado secundário.

(atualizada às 19h13 com mais informação)

Relacionadas

Reserva Federal mantém taxa de juro e programa de compra de ativos inalterados

Em linha com as expectativas do mercado, na última decisão de política monetária de 2020, a Reserva Federal norte-americana manteve a taxa de juro diretora no intervalo entre 0% e 0,25%. O foco vira-se agora para a conferência de imprensa de Jerome Powell, às 19h30.

BCE vê recessão de 2,2% no quarto trimestre e “recuperação marginal” no arranque de 2021

O ‘staff’ do Banco Central Europeu atualizou esta quinta-feira as projeções económicas até 2023 e está menos pessimista em relação à quebra do crescimento do PIB da zona euro para este ano, mas antecipa uma recuperação mais lenta da economia em 2021. Inflação continua sob pressão e taxa de desemprego foi revista em baixa.

BCE projeta recessão de 7,3% este ano, antes de recuperação de 3,9% em 2021

O ‘staff’ do Banco Central Europeu divulgou hoje as projeções económicas antecipa uma recessão menos profunda para 2020 face às projeções de setembro, que estimavam uma queda do PIB da zona euro de 8% este ano.
Recomendadas

Receitas do turismo estão 14% acima das do pré-pandemia

Os resultados até agora obtidos são animadores, contudo a crescente subida dos preços traz alguma apreensão

Governo francês de Macron prioriza apoio às classes médias trabalhadoras

“Vamos concentrar mais as nossas ajudas para os franceses que trabalham e que se levantam cedo”, declarou o ministro de Ação e Contas Públicas, Gabriel Attal, que insistiu que se deve “agir para favorecer o trabalho” na França.

“Orçamento da Saúde para o próximo ano poderá não ser suficiente”, alerta Correia de Campos

O antigo presidente do Conselho Económico e Social destaca o aumento de 2,7% do orçamento para a Saúde para 2023 mas adverte que o mesmo não vai ser suficiente tendo em conta que não acompanha “nem a inflação, nem a manutenção do equipamento, nem o reforço salarial necessário”
Comentários