Mercado de veículos eléctricos e híbridos subiram 18,4% entre janeiro e julho

Destacam-se os ligeiros de passageiros elétricos (BEV), com um crescimento de 60,6%. Ainda assim, nem todos os híbridos seguem o mesmo caminho, com os modelos plug-in (PHEV) a apresentar quedas.

O mercado de veículos eléctricos e híbridos continua a dar passos em frente em Portugal, de acordo com os registos de entre janeiro e julho deste ano, em comparação o mesmo período do ano passado.

Os dados são do relatório lançado hoje pela Associação Automóvel de Portugal (ACAP) e comparam o número de veículos eléctricos (BEV), híbridos plug-in (PHEV) e híbridos eléctricos (HEV) matriculados nos primeiros sete meses do ano e, em particular no mês que passou.

Ao todo, foram 4.659 novas viaturas em julho, o que significou um aumento de 18,4%, totalizando 32.051 no primeiro semestre, num aumento homólogo de 18,2%.

Ligeiros de passageiros

Em julho foram registados 4.614 viaturas, o que representou um crescimento de 17,9% em relação ao mesmo mês do ano anterior. Entre janeiro e julho surgiram 31.655 veículos, numa evolução de 17,3% relativamente ao mesmo período de 2021.

Destes, foram matriculados em julho 1.255 elétricos (BEV), o que representou um crescimento de 48,9% e 8.892 entre janeiro e julho, um aumento homólogo 60,6%.

Os novos híbridos plug-in (PHEV) no mês de julho foram 1.212, o que significa um queda de 13,1%, enquanto nos sete meses foram 8.792, um decréscimo de 5%. Entre estes, estão os PHEV a gasolina, de que saíram 1.117 em julho, o que representa uma diminuição de 12,5%, para um total de 8.038, um aumento homólogo de 3,1%. Os PHEV a gasóleo foram 95 no último mês, uma redução de 19,5% e 754 nos sete meses, o que significa uma redução de 48,5%.

Relativamente aos elétricos recarregáveis (ECV), foram matriculados 2.467 no mês passado, o que representa um crescimento de 10,2%, para um total de 17.684 entre janeiro e julho, um aumento homólogo de 19,5%.

Os hibrídos elétricos (HEV) registados no mês passado foram 2.147, número que representa uma evolução de 28,1% e fez aumentar o total para 13.971 viaturas, num crescimento de 14,6%. Entre estes, estão os HEV a gasolina, de que foram registados 1.789 em julho, o que significa uma evolução de 54,1% para um total de 11.238 veículos nos sete meses, que perfazem um aumento de 16,4%.

Dos HEV a gasóleo foram matriculados 358 no último mês, o que significa uma redução de 30,5%, que levou o total para os 2.733 registos e uma taxa de variação homóloga de +7,7%.

Ligeiros de mercadorias

Foram registados 45 novos veículos no mês que passou, com aumento de 150% para um total de 395 entre janeiro e julho, o que representa uma subida homóloga de 213,5%.

Em julho foram 43 elétricos (BEV) novos, o que significa um crescimento de 168,8%. Nos primeiros sete meses de 2022 foram 384 viaturas, o que significa mais 233,9% do que no ano anterior.

Entre os híbridos plug-in (PHEV), houve um novo veículo em julho, aumentando o total desde janeiro para dois, o que significa uma redução de 60%. O mesmo aconteceu no que respeita aos PHEV a gasolina.

Os elétricos recarregáveis (ECV) matriculados em julho foram 44, um aumento de 175%, ascendendo aos 386 nos primeiros sete meses do ano, o que representa uma evolução de 221,7%.

Entre os híbridos elétricos (HEV), foi registado um no mês de julho, um decréscimo de 50%, para um total de nove desde o início do ano, num aumento de 50%. O mesmo aconteceu com os PHEV a gasóleo.

Pesados

Em julho não foi matriculado qualquer veículo (redução de 100%), mantendo-se o total de uma viatura nos primeiros sete meses do ano, o que representa uma queda homóloga de 66,7%.

Recomendadas

Espanha quer avançar com gasoduto que fica a mais de 750 quilómetros de Portugal

Governo espanhol está empenhado num gasoduto que vai servir para enviar gás argelino para o norte da Europa, deixando Portugal e o porto de Sines para trás.

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta sexta-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta sexta-feira.

Preço da pescada já aumentou 76% desde fevereiro, alerta Deco

Nos últimos cinco meses, o preço do cabaz alimentar é mais caro 27,61 euros. Olhando exclusivamente para as categorias de produto com maiores subidas de preços entre 23 de fevereiro e 10 de agosto, logo depois do peixe (mais 22,01%), a carne é a que mais se destaca, com um aumento de 17,17%.
Comentários