“Mercado do turismo e da hotelaria terá de se reinventar”

“Muito irá depender da duração da pandemia e da ação do governo e da União Europeia para proteger os trabalhadores de um sector que é naturalmente sazonal mas que irá sofrer uma enorme impacto com pandemia”, afirma a advogada Margarida Osório de Amorim.

O turismo vai ser um dos setores mais afetados pela pandemia da Covid-19, depois de vários anos de promoção e bons resultados ao nível de visitantes e financeiros. Com o turismo, foram criados milhares de postos de trabalho, com um reforço em hotéis e restaurantes e a criação de apartamentos em modo Airbnb/Booking, que acabou por fazer subir os preços da habitação.

Agora, com muitos destes postos de trabalho precários, pouco se sabe do que será o futuro dos trabalhadores do ramo, sendo que o Conselho Mundial de Viagens e Turismo aponta a perda de 50 milhões de empregos em todo o mundo.

Ao representar 6% do PIB português, o Jornal Económico falou com a advogada Margarida Osório de Amorim, sócia na área de Imobiliário, Urbanismo e Turismo PLMJ, para perceber qual o futuro que os profissionais da área devem esperar e como poderá ser o futuro do turismo em Portugal depois do ‘tsunami’ Covid-19.

Nos últimos anos, muitas pessoas têm dependido do setor do turismo para sobreviver. Quantos empregos deve o turismo perder em Portugal até ao fim desta pandemia?

Não conseguimos calcular quantos postos de trabalho deve o turismo perder em Portugal, sendo certo, porém, que o impacto da atual situação no setor do turismo vai intensificar-se nos próximos tempos.

O que neste momento sabemos é que, segundo dados lançados pela Comissão Europeia, no inicio de março, a União Europeia perdeu dois milhões de dormidas e mil milhões de euros desde o início de janeiro devido à ausência de turistas chineses.

Em Portugal, onde o turismo é a maior atividade económica exportadora, tendo sido responsável, em 2018, por 51,5% das exportações de serviços e por 18,6% das exportações totais, e contribuído para 8,2% no PIB português, o sector da hotelaria calcula uma perda de receita de 30%.

Este panorama não é bom, tendo em conta que tínhamos, em 2018, um ritmo de crescimento das receitas turísticas (+9,6%) e dos proveitos globais​​ (+7,3%) mais acelerados que o aumento de hóspedes (+3,8%) em 2018.

Quais serão as principais consequências do setor quando decretarem o fim da pandemia?   

Como na crise do imobiliário que vivemos há alguns anos, os promotores, os exploradores e todos os players do mercado turístico e hoteleiro em Portugal serão, de novo, resilientes e inovadores; o mercado do turismo e da hotelaria terá necessariamente de se reinventar e de, num primeiro momento, centrar-se no mercado interno.

Num setor precário como o turismo, como se avizinha o futuro dos profissionais?

E ainda cedo para antecipar o real impacto nos trabalhadores do sector do turismo. Muito irá depender da duração da pandemia e da ação do governo e da União Europeia para proteger os trabalhadores de um sector que é naturalmente sazonal mas que irá sofrer uma enorme impacto com pandemia. É fundamental criar condições para que o setor do turismo possa rapidamente atingir o nível de serviço e de qualidade e para isso é preciso manter os trabalhadores que são necessários para tal.

Prevêem indemnizações neste setor? 

É provável que, similarmente ao que sucederá nos setores económicos mais afetados, haja necessidade de restruturações nas empresas da hotelaria, as quais podem implicar a redução de trabalhadores. De notar, porém, que se as mesmas recorrer ao lay-off ou ao lay-off simplificado não poderão nem durante, nem até 60 dias após o fim da medida promover despedimentos colectivos ou despedimentos por extinção de posto de trabalho.

Existe previsão de encerramento de unidades hoteleiras? E de alojamentos locais?

No dia 11 de Março de 2020, o Covid-19 foi declarado como uma pandemia pela Organização Mundial de Saúde, tendo as autoridades portuguesas começado por recomendar comportamentos de isolamento social e por impor inúmeras restrições a vários tipos de negócios e atividades. Como sabemos, foi declarado o estado de emergência em Portugal e a imposição, entre outras, do encerramento de atividades vitais para o turismo e para o funcionamento dos empreendimentos turísticos em Portugal: restaurantes, bares, esplanadas, piscinas, spas entre outros devem e têm de encerrar.

A atividade hoteleira e o setor do turismo em Portugal sofreram logo o impacto; assistimos rapidamente à deterioração do ritmo de reservas e ao simultâneo aumento de cancelamentos; isto porque as fronteiras terrestres da maioria dos países estão encerradas e os vôos estão, na sua grande maioria, suspensos e, sejamos  claros, a ideia de lazer e de descanso que o turismo aporta a cada um de nós está, neste momento, suspensa e a grande maioria dos empreendimentos turísticos em Portugal não têm, neste momento, qualquer hóspede ou cliente.

Assim, e neste cenário (real), os promotores, os exploradores e todos os players do mercado turístico e hoteleiro estão a ser forçados a suspender a sua atividade e a fechar as suas portas a ao publico e a hospedes (até porque não existem hóspedes e o publico deve, na medida do possível, estar recolhido).

As medidas decretadas pelo governo são suficientes para este setor?

As medidas que foram anunciadas são boas e são, de facto, necessárias porque o impacto financeiro desta crise no setor do turismo é e vai ser inevitável.

Diria, porém, que podemos e devemos fazer mais porque a história do turismo e da hotelaria em Portugal é uma história de sucesso; os promotores, os exploradores e todos os players do mercado turístico e hoteleiro em Portugal são agentes de sucesso e relevantes contribuidores para a economia portuguesa; e isto não pode nem deve ser ignorado.

É certo que, muito provavelmente, teremos de nos reinventar, de nos posicionar diferentemente e de nos ajustar a uma nova forma de viajar e de turismo; mas devemos preparar já esse reinicio com medidas concertadas, com o ambiente jurídico e financeiro adequado, justo e correto mas apelativo. O setor não pode nem deve estar em shut down mas sim on-hold.

Relacionadas

Futuro incerto para 200 mil trabalhadores da restauração e alojamento local, alertam sindicatos

A FESAHT diz que propôs ao Governo a criação de Fundo Especial de apoio a estes trabalhadores e até à data não obteve nenhuma resposta.Os sindicatos da hotelaria e turismo pedem ao Governo medidas de apoio direto aos milhares de trabalhadores de pequenas e micro empresas de restauração e alojamento local, que encerraram, para poderem ter um mínimo de condições de sobrevivência.

Turismo desportivo: Golfe e surf valem 900 milhões de euros. E depois da pandemia?

Com um impacto económico anual que, no seu conjunto, se aproxima dos mil milhões de euros, o golfe e o surf são as modalidades que mais turistas desportivos trazem a Portugal. Na indústria do golfe conta-se com perdas de 60% na faturação e no surf esperam-se melhores dias para voltar atrair praticantes de todo o mundo às ocidentais praias lusitanas. Turismo de Portugal tem disponível uma linha de crédito de 60 milhões de euros.

Airbnbs em Lisboa e Porto perderam 5,5 milhões em março devido à Covid-19

O mês de abril deverá acompanhar a tendência de queda no setor depois da Airbnb ter alterado as políticas de arrendamento que permitem cancelar reservas, gratuitamente, entre 14 de março e 31 de maio.

Setor hoteleiro estima perdas de até 1,44 mil milhões de euros até junho

Associação da Hotelaria de Portugal revela que mais de 80% dos hotéis estão encerrados entre abril e maio.

Queda de 25% no turismo tira 2,9% ao PIB, estima INE

Instituto Nacional de Estatística calcula que uma queda com despesas do turismo de visitantes não residentes quer do turismo interno de 25%, levaria a uma contração de pelo menos 2,9% do PIB.

Setor do turismo perde diariamente um milhão de empregos no mundo

A organização internacional, que representa o setor privado, enfatizou que a crescente perda de empregos afeta todos os níveis da indústria.
Recomendadas

China diz que EUA estão a enviar “sinais perigosos” sobre Taiwan

O ministro dos Negócios Estrangeiros chinês deixou claro que uma escalada das atividades independentistas torna difícil um acordo pacífico, no que diz respeito a Taiwan,

Vieira da Silva desaconselha mudança da lei das pensões. “É mais sensato suspender”

Para o ex-ministro Vieira da Silva, seria mais sensato suspender a lei da atualização das pensões, não sendo este o momento para proceder a alterações à fórmula legal.

Médicos dão prazo de duas semanas para Ministério da Saúde marcar reunião

“Já fizemos seguir o pedido de reunião ao senhor ministro [da Saúde, Manuel Pizarro] e solicitámos que essa reunião se desenvolva com a celeridade que deve e estabelecemos um limite para nas próximas duas semanas sermos convocados para essa reunião”, adiantou Noel Carrilho.
Comentários