Mercado dos Emirados Árabes Unidos não pode ser ignorado, alerta Cavaco

O Presidente da República afirmou hoje que os Emirados Árabes Unidos são um mercado que não pode ser ignorado, apontando os setores financeiro, energético e do turismo como áreas que despertam interesse daquele país para investir em Portugal. “Portugal não pode ignorar um mercado em tão grande expansão como este”, afirmou o chefe de Estado, […]

O Presidente da República afirmou hoje que os Emirados Árabes Unidos são um mercado que não pode ser ignorado, apontando os setores financeiro, energético e do turismo como áreas que despertam interesse daquele país para investir em Portugal.

“Portugal não pode ignorar um mercado em tão grande expansão como este”, afirmou o chefe de Estado, Aníbal Cavaco Silva, em declarações aos jornalistas em Abu Dhabi, a meio do primeiro dia de uma visita oficial aos Emirados Árabes Unidos, que termina quinta-feira no Dubai.

Falando com a comunicação social já depois de encontros com o príncipe herdeiro e com o presidente executivo do fundo soberano ADIA – Investimentos e ETIHAD Airways, Cavaco Silva revelou alguns pormenores das reuniões, adiantando que a conversa com Princípe Real do Abu Dhabi (e Presidente em exercício dos Emirados Árabes Unidos) foi “bastante frutuosa”.

Nesse encontro, disse o chefe de Estado português, um dos principais assuntos foi a possibilidade de desenvolver mais a cooperação entre os dois países.

Por outro lado, acrescentou Cavaco Silva, a reunião com o presidente executivo do fundo soberano ADIA – Investimentos e ETIHAD Airways, constituiu uma oportunidade para “explicar as potencialidades de Portugal” e para apresentar o país como “atrativo para o investimento”.

“O que nós gostaríamos e que eu lhe transmiti é que analisassem abertamente as potencialidades de investimento em Portugal”, sublinhou o Presidente da República, adiantando que ficou desde já acordado que no início do próximo ano uma missão técnica deste fundo soberano irá deslocar-se a Portugal para estabelecer contactos a nível político e, sobretudo, empresarial.

“Disseram que queriam conhecer a situação económica do país, enquadrá-la também no quadro da evolução económica da União europeia e tal como já me tinha sido transmitido pelo príncipe herdeiro, grande abertura para analisar as possibilidades de investimento em Portugal”, referiu Cavaco Silva, adiantando que as áreas que mais interessam aos Emirados para investir em Portugal são os setores financeiro, energético, do papel e da pasta de papel, o setor do turismo e o setor das industrias farmacêuticas.

Na breve conversa com os jornalistas, Cavaco Silva fez ainda referência ao facto de pela primeira vez um chefe de Estado português estar a visitar os Emirados Árabes Unidos, viagem que coincidiu com a primeira reunião da comissão mista Portugal – Emirados Árabes Unidos que decorreu de forma “muito promissora”.

“A visita tem um significado político e tem um significado económico bastante forte”, disse o Presidente da República, lembrando que os Emirados são um país com “um crescimento bastante significativo e que realizou progressos notáveis nos últimos anos”.

“O crescimento anual anda na ordem dos cinco por cento”, enfatizou, notando igualmente o facto das exportações portuguesas para os Emirados Árabes Unidos terem aumentar cerca de 25 por cento no primeiro semestre deste ano, existindo já mais de 600 empresas com negócios no país.

Além dos encontros com o príncipe herdeiro e com o presidente do fundo soberano ADIA, neste primeiro dia de visita aos Emirados Árabes Unidos, Cavaco Silva visitou ainda a mesquita Xeque Al Zayed.

Já ao final da tarde, o Presidente da República teve um encontro com empresários e participantes portugueses na reunião da comissão mista Portugal – Emirados Árabes Unidos.

OJE/Lusa

Recomendadas

Moldova mantém neutralidade mas irá fortalecer a cooperação com a NATO

A Moldova manterá a neutralidade, mas aprofundará a sua cooperação com a NATO para garantir a sua capacidade defensiva, declarou hoje o ministro dos Negócios Estrangeiros da Moldova, Nicu Popescu.

Espanha e Alemanha reúnem-se em cimeira pela primeira vez desde 2013

Espanha e Alemanha celebram na quarta-feira a primeira cimeira bilateral em nove anos, que coincide com um momento de sintonia entre os dois executivos em projetos como o do gasoduto para ligar a Península Ibérica à Europa central.

CMVM: “É notório o crescimento da divergência dos padrões de poupança das famílias portuguesas”

“A poupança de longo prazo exige disciplina e empenho além de, naturalmente, um nível de rendimento que permita poupar. Esta combinação de condições ajuda a explicar o baixo nível de poupança em Portugal e em outros países que nos são próximos”, reconhece Rui Pinto.