Mercado Ibérico. Vendas de perfumaria e cosmética voltam a crescer

Num contexto de retoma do consumo privado, é expectável que em 2015 a procura de perfumaria e cosmética cresça no mercado ibérico, estando prevista uma variação de 1,7% em termos de valor, para 4735 milhões de euros.


Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Segundo o estudo “Sectores – Perfumaria e Cosmética (Mercado Ibérico)”, da Informa D&B, é ainda de salientar um crescimento ligeiramente mais acentuado em Espanha, onde as vendas no final do ano poderão ascender a 4073 milhões de euros, 1,8% mais do que em 2014. Em Portugal o mercado poderá situar-se nos 662 milhões de euros, o que representa um aumento de 1,4%.

No último ano, 2014, as vendas de perfumaria e cosmética no mercado ibérico caíram 1,2%, para 4655 milhões de euros, o que representou uma desaceleração do ritmo de queda face a anos anteriores. Nesse ano, a Espanha representava 86% do mercado ibérico e Portugal 14%. O pior comportamento correspondeu ao mercado espanhol, que recuou 1,3%, para 4002 milhões de euros, enquanto em Portugal a descida foi de 0,6%, situando-se nos 653 milhões de euros.

O abrandamento das vendas afetou particularmente o negócio de perfumes e fragrâncias, que em 2014 recuou 2,9% no seu conjunto. Pelo seu lado, a queda nos segmentos de cuidados para o cabelo e cosmética decorativa foi em ambos os casos de 1,6%. Já o mercado de cuidados da pele caiu 1,3%, enquanto o segmento de produtos de higiene apresentou a evolução mais favorável ao registar um aumento de 0,7%.

A contração do mercado doméstico continuou a impulsionar as vendas ao exterior das empresas espanholas, que em 2014 aumentaram 3,4% em valor. No período 2009-2014 o aumento foi de 50%, ascendendo a 2767 milhões de euros no último ano. As exportações em Portugal, pelo contrário, caíram 4,6%, após terem recuado 6,1% no exercício de 2013.

Sobre a estrutura empresarial do setor, importa reter que apresenta um considerável grau de concentração da oferta, representando os cinco maiores grupos cerca de 40% das receitas totais no conjunto do mercado ibérico.

OJE

 

Recomendadas

EDP: “A Europa teve sorte este inverno, não vai haver problemas de abastecimento”

“Europa já está livre da dependência do gás da Rússia”, disse hoje Joana Freitas da EDP Produção.

Durão Barroso diz que “desglobalização” afetará empresas portuguesas

“À incerteza em torno do desenlace da guerra na Ucrânia soma-se o processo de desglobalização, fragmentação e polarização  do mundo que significará obstáculos crescentes ao comércio e a formação de dois blocos comerciais”, disse Durão Barroso no almoço promovido pela Crédito y Caución, referindo-se aos EUA e a UE, por um lado, e à China e à Rússia, por outro.

Sobrevivência de 10% das empresas ameaçada pela morosidade, diz Crédito y Caución

O impacto da morosidade intensificou-se em Portugal, com 74% das empresas nacionais (mais oito pontos percentuais que no ano passado) a sofrerem o impacto negativo na sua conta de resultados.