Mercado imobiliário já conta com ‘pipeline’ de 1,8 mil milhões de euros para 2023

Este valor representa mais de metade do volume de investimento de 3,4 mil milhões de euros captados no ano passado. Especialistas ouvidos pela consultora JLL apontam os escritórios como o segmento de maior interesse para os investidores.

O mercado imobiliário português já conta com um pipeline de 1,8 mil milhões de euros para 2023, segundo as perspetivas apresentadas no estudo da consultora JLL esta quinta-feira, 19 de janeiro.

Este representa valor já representa mais de metade do volume de investimento de 3,4 mil milhões de euros que foram captados no ano passado.

A consultora imobiliária levou a cabo um inquérito junto dos seus parceiros e investidores, onde 45% acreditam que o segmento de escritórios será o principal alvo de investimento, seguido pela hotelaria (27%), alternativos (13%), industrial e logística (11%) e retalho (5%).

Ainda no mercado de escritórios, 42% dos investidores consideram que a taxa de ocupação irá manter-se estável, acreditando que não existirá uma especulação na construção devido à falta de oferta.

Na promoção imobiliária mais de metade (54%) dos inquiridos defendem que os custos da construção já atingiu o pico no que ao aumento dos preços diz respeito, podendo estabilizar ou até mesmo descer.

No mercado residencial perto de metade (48%) acreditam numa descida dos preços, sendo que 38% estimam que estes venham a manter-se estáveis.

Nota ainda para o facto de 65% dos investidores assumirem que as yields podem vir a subir até 50 pontos base.

Recomendadas

Lisboa: esta cidade não é para pobres

Estudo da Century 21 Portugal sobre a acessibilidade de habitação em Portugal revela que, na capital portuguesa, 155 mil famílias com rendimentos líquidos anuais que variam entre os 5 mil e os 19 mil euros só têm 5% de oferta de habitação adequada à sua classe no mercado.

Volume de investimento imobiliário deverá continuar nos três mil milhões em 2023

Consultora CBRE aponta Lisboa como a sexta cidade europeia mais atrativa para investir e destaca como principais riscos para este ano a obtenção e o custo do crédito, bem como o desfasamento de expetativas de preços entre o vendedor e comprador.

Comprar um apartamento de 90m2 em Lisboa custava mais do dobro da média nacional em 2022

Na capital portuguesa o preço era de 375.480 euros, enquanto na média nacional o valor é de e 152.159 euros. Em Lisboa, a taxa de esforço aumentou dos 48% em 2019, para o 67% no último ano.
Comentários