Mercados dos EUA pouco alterados aguardam recorde de Dow Jones

Após atingir um novo máximo durante o dia de ontem, o índice industrial está cada vez mais perto de quebrar a barreira dos 20.000 pontos.

Lucas Jackson/Reuters

Os principais índices norte-americanos estão em queda ligeira, na iminência do Dow Jones ultrapassar a barreira histórica dos 20.000 pontos, depois de ter tocado máximos de 19.986 pontos.

O índice industrial tocou ontem em máximos de 19.986 pontos e cai agora 0,07%.

O tecnológico Nasdaq, que ontem alcançou um novo máximo, desce 0,12% e o S&P 500 desce 0,09%.

As bolsas dos EUA continuam a senda otimista após a eleição de Donald Trump, com os investidores confiantes de que os estímulos propostos irão fomentar o crescimento económico, como a redução dos impostos e mais investimento nas infraestruturas.

“O mercado tem estado animado desde a eleição e estas pequenas interrrupções são bem-vindas e expetáveis para que os operadores tenham lucros”, disse Andre Bakhos, diretor da Janlyn Capital in Bernardsville, New Jersey, na Reuters.

No mercado petrolífero, o Brent recua 0,40% para 55,13 dólares por barril, e o crude cai 0,24% para 53.17 dólares.

Os preços do petróleo negoceiam em queda, invertendo os ganhos da manhã, após os inventários de crude terem subido 2,26 milhões de barris na semana passada nos EUA, segundo a Energy Information Administration. A subida foi inesperada e é a primeira em cinco semanas.

Os analistas sondados pela Bloomberg previam uma queda de 2,5 milhões de barris.

O euro ganha 0,39% para 1.0429 dólares. Por outro lado, a libra desce ligeiramente para 1.2355 dólares.

Recomendadas

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta quinta-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta quinta-feira.

Bruxelas favorável a limite de preço para gás russo

“A Europa enfrenta a chantagem energética da Rússia, e a procura global de gás é mais elevada do que a oferta. Precisamos de trabalhar ao longo de toda a cadeia para enfrentar o desafio. Primeiro, temos de agir no ponto em que o gás entra no nosso mercado. Estamos a negociar com os nossos fornecedores fiáveis de gás de gasoduto. Se isto não trouxer resultados, então é possível um preço máximo”, declarou a comissária.

Governo reconhece necessidade de “valorizar salários” e espera acordo na Concertação Social

A ministra Adjunta e dos Assuntos Parlamentares discursava no Centro Cultural de Belém (CCB), em Lisboa, no âmbito da conferência “Em nome do futuro: os desafios da juventude”, organizada pela Santa Casa da Misericórdia e pela Rádio da Renascença.
Comentários