Merkel alerta que reformas de França e Itália “não são suficientes”

A chanceler alemã, Angela Merkel, considera que os pacotes de reformas estruturais propostos por França e pela Itália para sair da crise “não é suficiente”, numa entrevista a um jornal alemão hoje publicada. Em entrevista ao ‘Welt am Sonntag’, Angela Merkel apoia parcialmente o presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, que recentemente decidiu que não […]

A chanceler alemã, Angela Merkel, considera que os pacotes de reformas estruturais propostos por França e pela Itália para sair da crise “não é suficiente”, numa entrevista a um jornal alemão hoje publicada.

Em entrevista ao ‘Welt am Sonntag’, Angela Merkel apoia parcialmente o presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, que recentemente decidiu que não vai sancionar os países que não cumpram os limites do défice.

“A Comissão deixou claro que aquilo que [França e Itália] propuseram até ao momento não é suficiente. Estou de acordo com isso”, reitera Merkel.

A chanceler alemã acredita que Paris e Roma devem introduzir mais ajustes para reduzir o défice público e lançar novas reformas estruturais para apoiar as suas economias.

Merkel destaca ainda que Bruxelas traçou um caminho em que exige que França e Itália tomem novas medidas em troca de alguma flexibilidade orçamental, algo que, para a chanceler alemã, é “justificável” porque “ambos os países se encontram num processo de reforma”.

OJE/Lusa

Recomendadas

Coreia do Norte lança mais dois mísseis balísticos de curto alcance

O destacamento do porta-aviões norte-americano surgiu em resposta ao anterior lançamento por parte de Pyongyang de um míssil de capacidade nuclear sobre o Japão.

Aviões chineses no espaço aéreo de Taiwan seria “ataque contra o país”, diz ministro da defesa de Taiwan

O ministro fez esta observação na quarta-feira, durante uma reunião do Comité de Defesa Nacional da Câmara Legislativa da ilha.

Independentistas catalães consultam militantes sobre continuidade no governo regional

Os dois partidos independentistas no governo regional, Esquerda Republicana da Catalunha (ERC) e JxCat, assumiram publicamente na semana passada a rutura, por discordarem no caminho para a independência, cinco anos depois do referendo de 1 de outubro de 2017, considerado ilegal por Madrid, e da tentativa de autodeterminação.