Meta, Google, Twitter e Microsoft prometem melhorar combate à desinformação para evitar multas

Em causa está um código de conduta atualizado da União Europeia, que tem adotado uma atitude cada vez mais dura no combate às notícias falsas. A não conformidade pode levar a multas de até 6% da faturação global de uma empresa, mas as sanções podem incluir a proibição da sua atividade na Europa.

A Meta, Google, Twitter e Microsoft concordaram nesta quinta-feira em adotar uma linha mais dura contra a desinformação sob um código de conduta atualizado da União Europeia (UE) que pode implicar pesadas multas se não o fizerem, avança a “Reuters”.

Mais de 30 signatários, incluindo órgãos de publicidade, comprometeram-se com a legislação atualizada sobre desinformação, segundo a Comissão Europeia. No fundo, concordam em fazer mais para combater falsificações profundas (deep fakes), contas falsas e publicidade política. Agora, têm seis meses para cumprir as promessas e deverão apresentar um relatório de progresso no início de 2023.

“O novo código é um testemunho de que a Europa aprendeu as suas lições e que não somos mais ingénuos”, disse a vice-presidente da Comissão, Vera Jourova, em conferência de imprensa. A invasão da Ucrânia pela Rússia, a pandemia de Covid-19 e o Brexit aceleraram a repressão da UE às notícias falsas, destacou.

A não conformidade pode levar a multas de até 6% da faturação global de uma empresa, mas as sanções podem incluir a proibição de empresas da Europa, disse o chefe da indústria da UE, Thierry Breton. “Se houver descumprimento consistente das regras, também podemos pensar em impedir o acesso deles ao nosso espaço de informações”, disse ele em entrevista coletiva.

Recomendadas

Prémio “João Vasconcelos – Empreendedor do ano 2022” atribuído aos fundadores da Coverflex

O prémio de “Empreendedor do Ano” foi entregue pelo presidente da Câmara Municipal de Lisboa, Carlos Moedas, e por Bernardo Correia, ‘country manager’ da Google Portugal, entidade parceira desta edição.

Empresa aeronáutica prevê 6 milhões para começar a produzir aviões em Cabo Verde

“Venho elaborando este projeto já há dois anos, criei a empresa Aeronáutica Checo-Cabo-verdiana, empresa que irá produzir os aviões da Orlican e Air Craft Industries em Cabo Verde”, afirma Mónica Sofia Duarte.

BPI e FCT financiam 20 projetos e nove ideias para o desenvolvimento sustentável no Interior

A edição de 2022 do Programa Promove, uma iniciativa da Fundação “la Caixa”, em colaboração com o BPI e em parceria com a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), concedeu apoios a fundo perdido de perto de 3,6 milhões a um total de 20 projetos e nove ideias destinados a impulsionar o desenvolvimento sustentável de regiões do interior de Portugal.
Comentários