Metro de Lisboa fecha processo negocial com os sindicatos dos trabalhadores para 2022

O Metropolitano de Lisboa assinou esta sexta-feira com os sindicatos representativos dos trabalhadores o Acordo de Empresa para a Generalidade dos Trabalhadores, “concluindo-se, assim, o Processo de Negociação Coletiva para o ano de 2022 que vinha decorrendo, com a atualização das tabelas salariais em 0,9% e cláusulas a ela indexadas, com pagamento de retroativos a 1 de janeiro de 2022”, refere a empresa.

O Metropolitano de Lisboa assinou esta sexta-feira com os sindicatos representativos dos trabalhadores o Acordo de Empresa para a Generalidade dos Trabalhadores, “concluindo-se, assim, o Processo de Negociação Coletiva para o ano de 2022 que vinha decorrendo, com a atualização das tabelas salariais em 0,9% e cláusulas a ela indexadas, com pagamento de retroativos a 1 de janeiro de 2022”, refere a empresa.

O Metro diz que há outras matérias também acordadas e que possibilitaram o acordo celebrado, nomeadamente a prorrogação da vigência do Acordo de Empresa por mais dois anos, até 31 de dezembro de 2026, a atualização das tabelas salariais com início de efeitos a 1 de janeiro de 2023, de acordo com os valores que vierem a ser definidos no OE2023.

Continua a “decorrer o processo negocial para o próximo ano e o esclarecimento do conceito de idade legal de reforma que passou a abranger, quer a idade normal de reforma, quer a idade pessoal de reforma”, segundo o Metro de Lisboa.

“A obtenção deste acordo é fundamental para a estabilidade social na empresa e para a qualidade do serviço prestado, o que se refletirá positivamente na execução dos trabalhos em curso para a expansão e modernização da rede e na melhoria das condições de trabalho e bem-estar dos seus trabalhadores”, considera a empresa.

“Este acordo reflete, ainda, o empenho do Metropolitano de Lisboa em prosseguir o seu esforço de estabilidade e de paz social na empresa que em muito contribui para o aumento da qualidade do serviço que presta diariamente ao cliente”, conclui o comunicado.

Recomendadas

Sete bancos lucraram dois mil milhões até setembro, mais 71% que no período homólogo

Os lucros dos sete maiores bancos – Caixa Geral de Depósitos, BCP, Novobanco, Santander Totta, BPI, Crédito Agrícola e Banco Montepio somam 2.006,3 milhões de euros até setembro deste ano, o que compara com um valor de 1.172 milhões nos nove meses do ano passado. O que significa que os lucros dos sete bancos cresceram 71,2%.

Violência doméstica. APAV junta-se à hamburgueria A-100 em ação de sensibilização

A hamburgueria compromete-se a doar à APAV um euro por cada sobremesa vendida esta sexta-feira e vai iniciar uma angariação de fundos na sua página de Instagram até ao final do ano, com o dinheiro a reverter a favor da associação.

PremiumGoverno acusado de favorecer vencedores dos leilões de energia solar

Governo aprovou medidas para os projetos obterem financiamento e saírem do papel, mas vários promotores consideram medida injusta para o restante sector. Tutela fala de “circunstâncias imprevisíveis” como a Covid e a guerra.
Comentários