Metro de Lisboa registou 356 perturbações ao longo dos 365 dias de 2019

A linha azul é a mais problemática do Metropolitano de Lisboa, pois foi a que observou mais ocorrências e em que o tempo de espera foi superior ao normal no ano passado.

Dos 365 dias que complementaram o ano de 2019, o metro de Lisboa passou 254 horas e 28 minutos com perturbações. Este valor corresponde a uma média de 41 minutos por dia, de acordo com os dados da plataforma ‘UnderLX’ a que a revista Sábado teve acesso.

Os mesmos dados revelam que a linha azul é a que registou mais perturbações, bem como o que passou mais tempo com constrangimentos. No seu total, a linha azul, que linha Santa Apolónia à Reboleira, passou 88 horas e 10 minutos com perturbações de circulação, representando 34,6% do tempo total.

Seguiu-lhe a linha amarela, com 79 horas e 54 minutos de perturbações, a linha verde com 55 horas e 37 minutos e a linha vermelha foi a que verificou menos constrangimentos com 30 horas e 47 minutos.

Analisando a quantidade de perturbações do serviço, a linha azul também é a que verifica mais incidentes. No seu todo, o Metropolitano de Lisboa observou 356 perturbações, com 120 na linha azul, 117 na linha amarela, 65 na linha verde e 54 na linha vermelha. Desta forma, a maior linha do metro concentra 33,7% das ocorrências e a amarela 32,9%.

A tendência horária das perturbações acontece entre as 8 e as 10 horas da manhã, embora existam algumas diferenças entre as linhas. As 9 horas são as mais problemáticas para as linhas azul e amarela, que registam 11% e 11,7%, respetivamente. Por sua vez, as 10 horas são mais difíceis na linha verde, onde se registam 8,5% de perturbações, enquanto a linha vermelha verifica o mesmo número de perturbações às 8 e às 9 horas, com 9,4%.

A ‘UnderLX’ assume ainda que as causas mais comuns no metro foram a avaria da sinalização, onde se contabilizou 57 ocorrências, e a avaria de comboio, com 54 ocorrências. A linha azul verificou mais avarias nos comboios, enquanto na amarela ocorreram mais avarias na sinalização.

Recomendadas

Andy Brown deixa presidência executiva da Galp no final do ano

Andy Brown destacou, citado na nota, que aceitou “com grande honra o convite para completar o mandato 2019-2022 com o objetivo de preparar a companhia para um futuro de sucesso em tempos de grandes desafios para o sector”.

Empresas reafirmam investimento contra riscos cibernéticos

A cibersegurança é uma prioridade para as empresas. O reforço do investimento na proteção de contra ataques mantém-se apesar da conjuntura atual marcada pela subida dos custos. 

Equinix cria fundo solidário de 50 milhões para promover a inclusão digital

A empresa de tecnologia norte-americana criou uma nova estrutura de apoio educativo. O conselho de administração da fundação irá, todos os anos, determinar o montante de doações da fundação, de modo a cobrir a concessão de contribuições ou a correspondência com as ofertas dos colaboradores.
Comentários