Recrutamento e salários em 2021: estas são as tendências em 14 sectores

A Michael Page, empresa de recrutamento especializado, analisou a evolução das principais tendências em 14 áreas de atividade. Fique a par da evolução prevista para o próximo ano no mercado de trabalho português.

A Michael Page Portugal, empresa de recrutamento especializado liderada por Álvaro Fernández, analisou a evolução das tendências do recrutamento para o próximo ano no mercado português. O JE leu as principais conclusões, sector a sector:

Shared Services Centres. O mercado é procurado cada vez mais por novos investidores e a tendência mantém-se: trazer mais processos e alargar o âmbito dos existentes, tornando Portugal num local decisor do negócio. Empresas e investidores continuarão a competir pelo talento e terão de enfrentar desafios para atrair e reter os melhores candidatos no próximo ano. De acordo com a análise realizada, os salários neste setor mantêm-se estáveis com as exceções usuais, relacionadas com o domínio de idiomas como alemão ou holandês, entre outras.

Finance. Para 2021, no setor financeiro destaca-se o aumento das funções de ‘controlling’, contabilidade e direção financeira. A revolução tecnológica reflete-se numa procura de níveis avançados de Excel, ferramentas de Business Intelligence e forte domínio de ERPs. No próximo ano, a procura de profissionais que demonstrem sólida capacidade analítica, aliada a espírito crítico e orientação à melhoria contínua de processos transversais, e a valorização por parte das novas gerações de aspetos não salariais, como o desenvolvimento profissional, a proximidade ao negócio e a tomada de decisão, tendem a ser valorizados.

Logistics & Supply Chain. A procura de profissionais deste sector conheceu enorme incremento e encontra-se bastante dinâmica, principalmente em setores industriais, de retalho ou de construção. Assiste-se a uma inversão neste mercado, com a procura superior à oferta. Os perfis mais procurados são essencialmente de ‘middle management’, onde se destacam as funções de ‘customer service’, supervisor de logística, responsável de operações ou comprador sénior. Também as posições de ‘top management’ cresceram em procura. O aumento da procura de profissionais qualificados contribuiu para o aumento das expectativas salariais. A progressão salarial constante, baseada em objetivos, é tendência.

Sales & Marketing. Na área comercial, a venda técnica e consultiva orientada para o cliente ganha importância e o marketing assume relevância estratégica no negócio, como uma orientação clara para o digital e e-commerce. Quanto aos perfis de marketing, a tendência assenta na procura de ‘skills’ na esfera digital. Assim, os candidatos que trabalham na área de marketing online têm tido acesso a um conjunto de oportunidades mais alargado onde competências específicas, nomeadamente em ‘analytics’ e performance são muito valorizadas.

Information Technology. O mercado de IT é marcado pela guerra do talento, por isso os salários são mais elevados comparativamente a outras áreas menos procuradas. Como referência, um diretor de sistemas de informação pode auferir entre 49 mil euros a 100 mil euros brutos, por ano. As assimetrias regionais entre o Norte e Sul de Portugal esbatem-se cada vez mais, registando uma uniformização das bandas salariais praticadas. O facto é justificado com o crescimento do mercado do Porto e o registo de um forte investimento de empresas tecnológicas, nacionais e internacionais, na região Norte.

Tax & Legal. Este ano, em consequência da pandemia verificou-se um decréscimo na procura de perfis por parte das sociedades de advogados, face ao excecional volume de procura verificado em 2019. Os perfis mais procurados continuaram a ser de advogados com senioridade entre os dois e os cinco anos de experiência pós agregação. Relativamente às áreas de prática, as que registaram maior volume de contratações foram as de Direito Imobiliário, Corporate e M&A, Laboral, Contencioso Civil Comercial, Direito Fiscal e Direito Público/Urbanismo.

Secretarial & Business Support. Área fortemente impactada pela pandemia e o consequente confinamento e aumento do trabalho remoto, não se perspetiva mexida em termos de remunerações em 2021. A função de secretária de presidência é a que apresenta um salário mais elevado entre 35 mil a 40 mil euros por ano, seguindo-se a de secretária de administração,

Engineering & Manufacturing. Com a abertura de novos centros de R&D (investigação e desenvolvimento) e a integração num mercado cada vez mais global, assistimos em Portugal a uma maior competitividade ao nível de salário e competências gerais e específicas, criando uma tendência de disputa de talento. Neste enquadramento, os níveis salarias em áreas técnicas de engenharia têm conhecido importantes melhorias, que juntamente com o estilo e qualidade de vida em Portugal representam um passo importante para as empresas.

Healthcare. O mercado continua dinâmico para as diversas funções, quer sejam nas áreas comercial, marketing, departamento médico e funções mais técnicas, mantendo-se previstas para 2021 as tendências salariais. Em funções mais estratégicas observa-se um aumento do salário base, dada a dificuldade de atração deste tipo de perfis. Benefícios adicionais como seguro de saúde, flexibilidade horária e, em alguns casos, viatura da empresa são os mais desejados.

Insurance. Esta área tem apostado no talento fora do setor, na digitalização, inovação e transformação da sua oferta. Além dos perfis tradicionais que se mantêm estáveis nas empresas seguradoras, em 2021, prevê-se o aumento da procura de funções relacionadas com data science, risco, cyber security e parcerias. Observa-se ainda na procura de funções mais técnicas, candidatos com conhecimentos de softwares específicos, análise de dados, e solvência, com remunerações que poderão oscilar entre os 14 mil euros e os 63 mil euros, dependendo do nível de responsabilidade.

Recursos Humanos. A tendência de profissionalização do sector avança a par com um maior reconhecimento da importância estratégica das funções de Recursos Humanos como elementos chave para o desenvolvimento do negócio. Observa-se um crescimento na procura de posições generalistas e com capacidade de serem verdadeiros parceiros do negócio (HR Business Partner), devido à necessidade de aproximar os Recursos Humanos aos restantes departamentos.

Retail. A COVID-19 obrigou o sector a reinventar-se rapidamente em vários aspetos. Em resposta, para 2021, as empresas devem preocupar-se em tornarem-se mais atrativas, não só ao nível dos seus negócios como ao nível dos seus recursos humanos – baixas taxas de turnover, atração de talento, promoção de carreiras profissionais. Nos cargos de direção, a remuneração máxima é de 160 mil euros anuais brutos, para a função de diretor-geral, na área de Lisboa.

Banking. Este setor foi caracterizado pela estabilidade, onde se destacam os projectos digitais e processos de desenvolvimento tecnológico. Os perfis de auditoria, controlo e risco estão entre mais procurados. Prevê-se que o negócio de NPL contribua para o crescimento do mercado financeiro e que as fintech assumam uma posição preponderante na atracão de novo talento. No próximo ano, os salários deverão manter-se estáveis.

Hospitality&Leisure. A profissionalização e reorganização de um setor que por via do plano de confinamento imposto pela Covid-19, obrigou ao encerramento de hotéis e restaurantes, são aspetos decisivos.  A aposta clara no digital é crescente neste setor, no qual se prevê manter a estabilidade salarial para o próximo ano.

Recomendadas

Universidade dos EUA atribui grau honoris causa em Proteção Civil e Segurança a professor do Politécnico da Guarda

Pedro Simões, coordenador do CTeSP em Riscos e Proteção Civil do Politécnico da Guarda, foi distinguido pela Grendal University de Miami com o grau honoris causa.

Universidade de Évora atribui Honoris Causa ao arquiteto Carrilho da Graça

 O arquiteto João Luís Carrilho da Graça, de 70 anos, vai receber o grau de Doutor Honoris Causa pela Universidade de Évora (UÉ), numa cerimónia marcada para a próxima terça-feira, anunciou hoje a academia alentejana.
Pedro Saraiva, Vice-reitor da Universidade NOVA de Lisboa

Produtividade aumentará se as empresas interagirem mais com as universidades, diz vice-reitor da NOVA

Pedro Saraiva diz que muitas empresas até produzem já com um grau razoável de inovação, mas menos de 10% o faz em parceria com universidades. E essa é a grande lacuna, que quando ultrapassada contribuirá significativamente para resolver o problema da produtividade.
Comentários