Michelle Obama recomendou voto em Hillary mas apoia Trump

“Eu disse à Melania que a minha porta está aberta, faço o mesmo que Laura Bush fez comigo”, realçou a primeira-dama que está prestes a deixar a Casa Branca.

REUTERS / Ricardo Arduengo

Michelle Obama reuniu-se com a apresentadora Oprah Winfrey esta segunda-feira para contar a sua história na Casa Branca e aproveitou para deixar uns conselhos à sua sucessora.

Na entrevista falou-se também das eleições presidenciais, descritas pela antiga primeira-dama como “dolorosas” e “um desafio enquanto cidadã”.

Michelle garantiu que, apesar de ter recomendado publicamente o voto em Hillary Clinton e criticado as ideias do opositor, vai apoiar o presidente eleito Donald Trump porque acredita ser o melhor para o país.

“É importante para o Barack e para mim apoiar a transição. Não importa como nos sentimos, é importante para a saúde da nação que apoiemos o comandante-chefe”, salientou, acrescentando que ambos vão “fazer tudo o que for necessário para nos assegurarmos de que ele tem sucesso, porque se ele tiver sucesso, todos temos”.

Em relação à ‘nova’ primeira-dama, Michelle prontificou-se para a ajudar na adaptação ao cargo da mulher mais importante do país.

“Eu disse à Melania que a minha porta está aberta, faço o mesmo que Laura Bush fez comigo”.

A matriarca dos Obama referiu ainda em entrevista o tema do racismo, classificando os EUA como “um país sem esperança” graças à nova administração, dando a entender que os americanos iriam sentir falta de ter “um adulto na Casa Branca”.

Recomendadas

Brasil. Equipa assegurará “perfeita realização” das eleições em Portugal

Paulino Franco de Carvalho Neto, secretário de assuntos multilaterais políticos do ministério, designado como Itamaraty, disse em conferência de imprensa no consulado-geral do Brasil em Lisboa que o ministro Carlos França enviou uma equipa para acompanhar os serviços dos consulados em Portugal durante o ato eleitoral.

Preços da energia em Itália vão subir ainda mais apesar de já estarem elevados

O Executivo de Roma já dedicou este ano 60 mil milhões de euros a medidas para procurar reduzir o impacto da subida destes preços.

Ucrânia: Putin defende perante Erdogan “direito de autodeterminação” de regiões anexadas

Num contacto com homólogo turco, informou o Kremlin em comunicado, Putin sublinhou que os referendos separatistas “decorreram em condições de transparência e em plena consonância com as normas e princípios do direito internacional”.
Comentários