Migrações: Centenas de crianças deportadas da República Dominicana para o Haiti sem os pais

Várias centenas de crianças foram deportadas da República Dominicana para o Haiti sem os seus pais, como parte da política seguida por Santo Domingo de deportar supostos migrantes sem documentos legais, divulgou hoje a televisão norte-americana CNN.

“O Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) recebeu pelo menos 1.800 crianças desacompanhadas entregues ao Haiti pelas autoridades de imigração dominicanas desde o início deste ano”, explicou um porta-voz desta agência da ONU à rede de televisão.

Muitos dos menores, sem documentos de identidade, são deportados para o Haiti entre grupos de adultos, levantando dúvidas sobre a forma como as autoridades dominicanas podem confirmar que se tratam de migrantes haitianos, disse o porta-voz do Unicef, cuja identidade não foi divulgada.

Estas informações surgem quando ocorrem acusações e denúncias entre as autoridades haitianas e dominicanas sobre o tratamento recebido pelos migrantes na República Dominicana.

No domingo passado, o Governo haitiano condenou o tratamento “vergonhoso” e “desumano” que seus cidadãos recebem na República Dominicana.

O Ministério dos Negócios Estrangeiros do Haiti denunciou, num comunicado, o “tratamento vergonhoso e desumano que mancha a imagem da República Dominicana no mundo e põe em perigo o espírito de paz e harmonia que deve nortear as relações entre os dois países que partilham a ilha”.

A República Dominicana aumentou nas últimas semanas as deportações de cidadãos haitianos sem documentos legais, como parte da política de imigração defendida pelo Presidente do país, Luis Abinader.

O Presidente dominicano manifestou-se na semana passada contra as declarações do alto comissário da Organização das Nações Unidas para os Direitos Humanos, Volker Türk, que pediu à República Dominicana e a outros países da região que parem com as deportações de haitianos para seu o país.

Na ocasião, Abinader qualificou este pronunciamento como “inaceitável” e “irresponsável”, além de anunciar que as deportações de haitianos sem documentos não só continuariam, mas aumentariam.

Na República Dominicana, país que divide a ilha de São Domingos com o Haiti, residem milhares de cidadãos haitianos, a maioria em condições de imigração irregular.

A CNN lembrou que a República Dominicana há muito tempo que tenta reduzir a população haitiana dentro de suas fronteiras.

A última onda de deportações deste ano está suceder com uma velocidade e amplitude surpreendentes, levando os críticos a acusar o Governo do país caribenho de discriminação racial, execução caótica e desrespeito pelos direitos humanos e famílias.

Recomendadas

ONU em São Tomé elogia autoridades após ataque a quartel e pede que país seja “bom aluno”

Em entrevista à Lusa, Eric Overvest declarou que o escritório da ONU em São Tomé e Príncipe acompanhou, ao longo do dia, os acontecimentos, junto das autoridades, na sequência do assalto, por quatro homens, ao quartel militar, que o primeiro-ministro, Patrice Trovoada, classificou como “tentativa de golpe de Estado”.

PremiumJoe Biden arrisca teto para o preço do petróleo russo

A decisão não conseguiu consenso na União Europeia. Moscovo adverte que pode ser o primeiro passo para uma crise petrolífera sem precedentes. Com a Ucrânia às escuras e com frio, o Kremlin acha que a NATO já está a combater a Rússia.

Ex-ministro das Finanças do Luxemburgo vai liderar fundo de resgate da zona euro

Num comunicado hoje divulgado, o fundo de resgate do euro indica que “o Conselho de Governadores do Mecanismo Europeu de Estabilidade, que junta os 19 ministros das Finanças da moeda única, nomeou hoje o ex-ministro das finanças luxemburguês Pierre Gramegna para o cargo de diretor-executivo”, que ocupa a partir de 1 de dezembro.
Comentários