Miguel Albuquerque: Orçamento da Madeira para 2022 “não é o perfeito, mas é o possível”

As propostas do Orçamento Regional da Madeira para 2022, no valor de 2,1 mil milhões de euros e do Plano e Programa de Investimentos e Despesas de Desenvolvimento da Administração da Região Autónoma da Madeira – PIDDAR (764 milhões de euros) foram aprovadas na generalidade com os votos a favor da maioria do PSD/CDS, abstenção do JPP e contra dos deputados do PS e PCP.

O presidente do Governo da Madeira afirmou que o Orçamento Regional (OR) para 2022 aprovado na passada segunda-feira, 13 de dezembro, “não é o perfeito, mas o possível” devido aos constrangimentos da pandemia e a falta de solidariedade da República.

“Não sendo o Orçamento perfeito é o possível, que corresponde às expetativas do que os madeirenses esperam de nós [Governo Regional]”, declarou Miguel Albuquerque na Assembleia Legislativa da Madeira, no encerramento do debate na generalidade das propostas do OR e do Plano de Investimentos para o próximo ano.

As propostas do Orçamento Regional da Madeira para 2022, no valor de 2,1 mil milhões de euros e do Plano e Programa de Investimentos e Despesas de Desenvolvimento da Administração da Região Autónoma da Madeira – PIDDAR (764 milhões de euros) foram aprovadas na generalidade com os votos a favor da maioria do PSD/CDS, abstenção do JPP e contra dos deputados do PS e PCP.

O chefe do executivo insular de coligação PSD/CDS argumentou que “dentro dos constrangimentos” atuais, na sequência da pandemia da Covid-19, o seu Governo Regional vai “continuar o combate consistente e coerente” à atual situação, mantendo os apoios às empresas e trabalhadores.

“Continuamos a viver tempos extraordinariamente difíceis e exigentes” que “ impõem alterações nos hábitos, rotinas e obrigou a organizar a economia e a sociedade”, enfatizou o responsável madeirense.

Miguel Albuquerque opinou que as críticas feitas pelos partidos da oposição a estas propostas evidenciam que “não vivem nesta terra, mas na galáxia Andrómeda”, porque esquecem que a atual situação “não é de normalidade”.

O chefe do executivo criticou o que classificou de “exercício de hipocrisia” destas forças partidárias no parlamento regional, salientando que “o Governo da República nunca teve solidariedade e continua a usar o Estado como instrumento de arma política”.

Insistindo na censura à “flagelação política e discricionariedade do Governo da República” em relação à Madeira, o governante insular opinou que “teve o desplante de não ter ajudado, ao fim de dois anos, uma região autónoma” no decorrer de uma crise pandémica.

“Uma vergonha que vai ficar para a História”, argumentou, reforçando que esta região não recebeu “nem um tostão ou solidariedade do Governo de esquerdas, que ainda tentou penalizar” o arquipélago.

Albuquerque argumentou que “este orçamento, apesar de todas as dificuldades, tem para as funções sociais mais de 800 milhões de euros”.

O presidente do Governo Regional considerou que esta proposta orçamental “apresenta um equilíbrio difícil entre duas exigências”, nomeadamente enfrentar e continuar a encontrar procedimentos de combate à pandemia da Covid-19, assegurando o apoio ao tecido económico e às empresas para garantir o emprego aos cidadãos e funções sociais do Estado.

As propostas de Orçamento e Plano aprovadas vão ser discutidas agora na generalidade, um processo que se prolonga até quinta-feira, dia em que acontece a votação final global.

Os três partidos da oposição apresentaram mais de 300 propostas de alteração ao Orçamento Regional para 2022.

Recomendadas

Comprar presentes de Natal a crédito é uma boa opção? Saiba aqui

É fácil comprar usando o cartão de crédito ou contratando um crédito. No caso do empréstimo pessoal, este crédito é chamado de fácil aprovação, mas não é barato.

Reputação!

Num mundo que todos dizem pretender agregar, ainda que alguns o façam pela lei da força, a Union Jack apostou no afastamento! Se o Reino Unido fosse submetido a uma página de feedback do Amazon ou do Aliexpress, receberia 1 estrela, por engano ao cliente e principalmente por mentira “in House”.

Funchal: PAN critica “tiques de absolutismo” de PSD e CDS-PP

O partido diz que o Orçamento Municipal do Funchal, que foi aprovado na Assembleia Municipal, permite concluir que estamos perante uma vereação “sem rasgo, sem ideias, conduzida por um presidente de Câmara, Pedro Calado, cuja capacidade de resolução de problemas já é considerada, por um número crescente e cada vez maior de habitantes do Funchal, como uma desilusão”.
Comentários