PremiumMiguel Alves não pediu a devolução de 300 mil euros de rendas

Incumprimento do contrato, por não aquisição do terreno pelo promotor para construir centro de exposições, devia ter levado à sua resolução e pedido de devolução do adiantamento de rendas pelo ex-autarca.

O ex-presidente da Câmara de Caminha e até ontem secretário de Estado Adjunto do primeiro-ministro, Miguel Alves, não diligenciou, por incumprimento contratual, a devolução dos 300 mil euros de rendas adiantadas ao promotor que, em 2020, assinou com a Câmara de Caminha um contrato-promessa para construir um Centro de Exposições Transfronteiriço (CET).

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

PremiumAfegãos em Portugal, um ano de esperança

“As minhas expectativas aqui são aquelas que não pude ter do meu país por causa da guerra. Quero estar onde possa estudar, escolher a minha carreira, viver em paz”, diz Farkhunda. Histórias de refugiados que encontraram abrigo no nosso país.

PremiumXeque Tamim bin Hamad Al Thani contra o xeque-mate ocidental

A Europa é sempre apanhada de surpresa. No Qatar, como em Israel, como na Jugoslávia, como na Alemanha de 1939, como na Crimeia. E o pior é que é mesmo apanhada de surpresa.

PremiumVariedades portuguesas de azeite estão em risco de desaparecer

A campanha de apanha da azeitona de 2022 está quase a chegar ao fim. É certo que, apesar de a qualidade do azeite se ter mantido em níveis de excelência, registaram-se quebras significativas no volume de produção face à safra do ano precedente. Mas não é essa a maior dor de cabeça a apoquentar os produtores do sector que querem manter a sustentabilidade e a biodiversidade para preservar o futuro.
Comentários