Miguel Gouveia: “Vejo muitas pessoas a discutir lugares e pouca gente a discutir a Madeira do futuro”

O antigo presidente da Câmara do Funchal mostra-se disponível para uma solução governativa, liderada pelo PS, na Madeira, mas diz que mais do que falar em lugares é preciso criar uma planificação daquilo que se pretende para a Madeira, ter uma abertura grande à sociedade civil, auscultar todos os sectores, e encontrar propostas robustas e consensuais.

O antigo presidente da Câmara do Funchal, Miguel Gouveia, diz, ao Económico Madeira, que gostava de contribuir para uma solução governativa, liderada pelo PS, alertando que é preciso criar uma planificação daquilo que se pretende para a Madeira, ter uma abertura grande à sociedade civil, auscultar todos os sectores, e encontrar propostas robustas e consensuais.

Miguel Gouveia, quando questionado sobre se integraria um executivo, liderado pelo PS, na Madeira, diz que vê “demasiadas pessoas, preocupadas com lugares, com cargos, se vão para diretor regional, se para administrador, se para secretário, se para deputado, e pouca gente a pensar a Madeira do futuro, e a realidade é que a Madeira neste momento não é uma região competitiva para que as empresas se estabeleçam cá”.

As eleições autárquicas ditaram a perda do poder da Coligação Confiança na Câmara do Funchal. Acabou por assumir o lugar de vereador na oposição, após as eleições autárquicas, quando noutros casos, como o de Fernando Medina, em Lisboa, foi feita renúncia ao mandato. A questão do coletivo acabou por se sobrepor ao individual?

Ainda que individualmente aquele primeiro impulso seria de renunciar acho que a responsabilidade falou mais alto, e não deixar a meio um compromisso que assumi com aqueles que acreditaram que o nosso projeto seria o melhor para a cidade.

E até final do mandato autárquico o que prevê fazer? Quais são os planos?

Até ao final deste mandato o nosso objetivo é continuar a apresentar propostas. Temos apresentado algumas. Nestes primeiro ano temos apresentamos propostas na área da educação, por exemplo com os manuais escolares até ao 12º ano, que era algo que estava previsto no nosso programa, e que infelizmente foi chumbado pela atual maioria PSD na Câmara do Funchal.

Temos outra aprovação que foi as bolsas de estudo para o ensino superior para poder ser alargado aos cursos de Técnicos Superiores Profissionais (CTeSP). Temos agora em carteira propostas para a criação de um gabinete jurídico, de literacia para séniores. Procurar sempre, pela positiva, encontrar propostas que a Câmara possa implementar e que melhorem a qualidade de vida de quem aqui vive, de quem nos visita, e de quem aqui trabalha. Até final do mandato é isso a que nos propomos sempre mantendo as nossas linhas orientadoras que levamos a eleições.

Até lá continuaremos a escrutinar o executivo. E sempre que for identificado algo passível de ser ilegal informar as entidades responsáveis como temos feito. Comissão Europeia, Tribunal de Contas e afins.

Na eventualidade do PS vir a assumir a governação da região vê-se mais útil no papel de secretário regional do que no de deputado?

Não é uma questão de ser secretário regional, ou ser deputado, ou ser diretor regional.

Ou pelo menos integrar o executivo?

Gostava de poder contribuir.

Não tem de ser como secretário regional. Gostava de poder contribuir. Mas a montante disso ainda. A montante. Mais do que falar em lugares e distribuir lugares. Isso parece uma lógica de negociação entre PSD e CDS-PP. Ninguém discute política só discutem lugares. Mais do que discutir isso a montante é preciso criar uma planificação daquilo que se pretende para a Madeira. A realidade de há três/quatro anos não é a mesma de agora. Nós passamos por uma pandemia desde há quatro anos. Estamos neste momento num cenário de quase hiperinflação, temos uma guerra pelo meio, temos um Plano de Recuperação e Resiliência (PRR), temos provavelmente o último quadro comunitário de apoio que está aí a chegar, que vem para a Madeira pelo programa Madeira 20-30, é preciso colocar tudo isto em cima da mesa.

Recontextualizar todas as medidas, reavaliar se fazem sentido ou não, e perceber para onde é que caminhamos. O que vejo é muitas, demasiadas pessoas, preocupadas com lugares, com cargos, se vão para diretor regional, se para administrador, se para secretário, se para deputado, e pouca gente a pensar a Madeira do futuro, e a realidade é que a Madeira neste momento não é uma região competitiva para que as empresas se estabeleçam cá.

Não é uma região onde os nossos filhos queiram regressar, e ficar aqui, e regressar para viver, porque o trabalho aqui também na verdade não garante uma remuneração que seja bastante atrativa. Estamos do ponto de vista turístico a viver um boom conjuntural, e fazemos de conta que isto é um boom estrutural. E claramente as fragilidades vão sendo expostas. Saturação de muitos percursos, incapacidade de garantir a qualidade que o destino Madeira sempre teve. Tudo isto é preciso ser analisado e só se consegue isto com uma abertura grande à sociedade civil. Auscultando todos os sectores e encontrando propostas robustas e consensuais.

Edição do Económico Madeira de 2 de setembro.

Relacionadas

Miguel Gouveia: “Com Pedro Calado o Funchal tem regressado à permissividade e ao laxismo”

O antigo presidente da Câmara do Funchal considera que o percurso de equilíbrio financeiro, da Coligação Confiança, foi interrompido quando a coligação PSD/CDS-PP chegou ao poder na autarquia. Miguel Gouveia diz que a governação do PSD/CDS-PP, no Funchal, tem sido “errática” e “muito centrada” na figura do presidente, Pedro Calado.

Miguel Gouveia: “Eu acho que não parece muito ético estar a trabalhar num processo onde houve envolvimento enquanto vereador”

O antigo presidente da Câmara do Funchal aborda a passagem de Bruno Martins, que chegou a ser seu vereador, com o pelouro do urbanismo, pelo qual passou o projeto do Dubai Madeira, para arquiteto responsável de um dos edifícios do Dubai Madeira.

Premium“Estou disponível, mas há propostas do PS em que não me revejo”

O ex-presidente da Câmara do Funchal Miguel Gouveia mantém-se como vereador e considera que a ação do executivo municipal tem sido muito propaganda. Agora militante no PS, diz-se disponível para um projeto alternativo de governo para a região, mas com condições.
Recomendadas

Madeira: IHM renova campo de jogos do Bairro da Nazaré num investimento de 65 mil euros

A reabilitação daquele espaço e a introdução de um campo destinado à prática do Madeirabol, deverá constituir mais um polo de atração e recreio para os moradores, mas também para a população em geral.

Saiba que erros evitar na gestão das finanças pessoais

Faça um Plano Financeiro. Defina objetivos a curto, médio e longo prazo, mas que consiga cumprir. Quantifique-os e defina prazos. Calcule pequenas metas a curto prazo para os atingir e mantenha-se focado nesses objetivos, sem ser demasiado ambicioso.

Parlamento da Madeira pede inclusão das regiões autónomas no grupo que vai elaborar o Plano Estratégico da Pequena Pesca

“Para nós é fundamental que as Regiões Autónomas estejam salvaguardadas com uma presença efetiva, por forma a que possamos salvaguardar as especificidades da pequena pesca nas ilhas, que é diferente da que acontece no território continental”, aclarou Nuno Maciel.
Comentários