Miguel Maya diz que mecanismo de capitalização contingente do Novobanco custou mais de 500 milhões ao BCP

Miguel Maya revelou que o BCP já pagou mais de 500 milhões de euros com a solução que se encontrou para financiar o Novobanco, referindo-se ao mecanismo de capitalização contingente.

Cristina Bernardo/JE

Miguel Maya revelou na “SIC Notícias” que o BCP já pagou mais de 500 milhões de euros com a solução que se encontrou para financiar o Novobanco, referindo-se ao mecanismo de capitalização contingente, com um limite de 3,89 mil milhões de euros, acordado no âmbito da venda em 2017 do banco à Lone Star.

“Custa todos os anos ao BCP 60 milhões de euros” a contribuição ao Fundo de Resolução nacional, revelou o CEO do Novobanco.

“Era bom que antes de se falar de quem vai ou não comprar o Novobanco se corrigisse o fardo que os bancos suportam”, disse Miguel Maya que manifestou o desejo que o Governo e a Assembleia da Republica corrijam uma solução que na opinião do CEO do BCP “deixou de ser correta”. Isto significa que, apesar de Miguel Maya reconhecer que este Acordo de Capitalização Contingente foi correta no passado para salvar um banco sistémico, como o Novobanco, considera que “deixou de ser uma solução correta” perante a nova realidade [lucros do Novobanco] e que por isso “tem de ser corrigida”.

As declarações foram feitas no programa Negócios da Semana da SIC Notícias, onde foram entrevistados os cinco presidentes dos maiores bancos – Paulo Macedo (CGD), Miguel Maya (BCP), António Ramalho (Novobanco), Pedro Castro e Almeida (Santander Totta) e José Pedro Oliveira e Costa (BPI).

António Ramalho lembrou depois que o seu papel foi o de executar com a sua equipa um plano definido “por um contrato assinado por outros que não eu, mas que beneficiou o banco”.

Miguel Maya defendeu o crescimento orgânico do BCP, mas admitiu olhar para qualquer operação que surja no mercado, desde que as condições o permitam.

Também Pedro Castro e Almeida e João Pedro Oliveira e Costa descartaram o crescimento por aquisições, apesar de ambos admitirem que as respetivas casa-mãe, Santander e Caixabank, “confiam muito na gestão dos bancos em Portugal”.

O tema para as filiais dos bancos espanhóis parece ser a competição ao nível da digitalização

O BPI considera que um dos grandes desafios da banca é a renovação geracional.

Recomendadas

Santander Totta com aumento de capital de 135 milhões totalmente realizado

O Banco liderado por Pedro Castro e Almeida concluiu o aumento de capital que tinha sido aprovado a 4 de maio.

Bancos globalmente sistémicos com melhor performance dos resultados no primeiro trimestre

O Goldman Sachs fez uma análise aos resultados dos bancos no primeiro trimestre comparando, por um lado, os globalmente sistémicos dos outros e, por outro, os bancos da zona euro e de fora do euro. Em termos de rentabilidade o ROTE caiu 1,4 pp nos G-SIBs e subiu 0,5 pp nos outros bancos. Sendo nos G-SIBs em média de 7,7% e nos bancos não sistémicos, em média, de 10,3%.

Crédito Agrícola com lucros a caírem 51% para 37,5 milhões no primeiro trimestre

Esta redução de 50,7%, segundo o grupo, “é influenciada pelos resultados, não recorrentes, obtidos no 1º trimestre de 2021, relacionados com “ganhos líquidos com operações financeiras e com juros retroactivos, referentes a 2020, recebidos no âmbito do programa de financiamento do BCE – TLTRO III”. O ROE do Grupo CA fixou-se em 7,1% em março.
Comentários