Miguel Mendes é o novo diretor do Santander Consumer Finance. Digital é o principal desafio

Com larga experiência na banca internacional, Miguel Mendes chega ao Santander Consumer Finance para desenvolver e alavancar o investimento tecnológico que a instituição de crédito especializado fez no digital. Antes, Miguel Mendes esteve na Polónia, entre 2012 e 2019, onde desempenhou diversas funções na área de banca de retalho enquanto diretor de marketing, transformação digital e experiência do cliente.

Cristina Bernardo

Miguel Mendes é o novo diretor de cliente, produto e transformação do Santander Consumer Finance. Pela frente, terá o desafio de desenvolver e alavancar o investimento tecnológico feito pelo banco, “no sentido de providenciar as melhores experiências de crédito ao consumo (financiamento automóvel e consumo) a clientes e parceiros”, explicou o Santander Consumer Finance em comunicado enviado às redações.

Com larga experiência na banca internacional, no Barclays e no Citi, Miguel Mendes chega ao Santander Consumer Finance depois de ter trabalhado na Suécia, Bélgica e Polónia.

Na Polónia, onde esteve entre 2012 e 2019, Miguel Mendes desempenhou diversas funções na área de banca de retalho enquanto diretor de marketing, transformação digital e experiência do cliente. Antes, foi responsável de operações da área de cartões de créditos no Barclays Portugal, entre 2009 e 2011, e responsável do canal digital do CitiBank Portugal, entre 2007 e 2009l.

Agora, enquanto diretor de cliente, produto e transformação do Santander Consumer Finance, Miguel Mendes refere que o banco de crédito especializado vai “investir bastante em produtos e serviços”, traduzindo-os em “experiências adaptadas a um cliente cada vez mais exigente”.

“O mundo muda a toda a hora e é nossa intenção ter serviços totalmente digitais, com soluções de crédito competitivas, simples e seguras, através das quais o consumidor possa, independentemente do local em que se encontra (numa loja ou em casa a comprar online) e sem necessidade de papel, ter opções de financiamento acessíveis e adaptadas às suas necessidades”, referiu Miguel Mendes no comunicado.

Relacionadas

PremiumMalparado fora das contas da ASFAC “por tradição”

Concessão de crédito ao consumo está mais “responsável”, diz Menezes Rodrigues. Mas o presidente da ASFAC alerta para a pressão da regulação na rentabilidade das instituições de crédito.

Banco de Portugal aprovou 4 mil pedidos para atividade de intermediação de crédito

Cerca de 79% dos pedidos para o exercício da atividade de intermediário de crédito foram autorizados pelo Banco de Portugal (BdP), disse Luís Máximo dos Santos, vice-governador do BdP. Mas, no final de 2018 e início de 2019, o crédito ao consumo tem crescido a um ritmo mais lento, por comparação com os anos anteriores. Ainda assim, Máximo dos Santos salientou que é “inútil diabolizar” o crédito ao consumo, sendo antes necessário “regulá-lo e fiscalizá-lo”.
Recomendadas

“Falar Direito”. “Renegociação? Medida deveria abranger outro tipo de créditos mais onerosos”

Na última edição do programa da plataforma multimédia JE TV, advogado Francisco Barona, sócio do departamento financeiro e governance da Sérvulo, considerou que o diploma referente à renegociação do crédito à habitação deveria ser mais abrangente, tendo em conta a contração de outros créditos mais onerosos.

Juro médio dos novos depósitos de particulares dispara em outubro para máximo de cinco anos

Segundo os dados divulgados hoje pelo Banco de Portugal (BdP), “em outubro o montante de novos depósitos a prazo de particulares foi de 4.726 milhões de euros, remunerados a uma taxa de juro média de 0,24%”.

PremiumBanca antevê dificuldades em identificar todos os clientes em 45 dias

Os bancos têm 45 dias para verificar se têm clientes do crédito à habitação que qualifiquem para efeitos da aplicação do diploma do Governo, mas o apuramento dos rendimentos reais é um obstáculo.
Comentários