Miguel Pinto Luz quer PSD “firme e vigilante” perante divergências entre Costa e Centeno

Candidato à liderança do PSD lança críticas nas redes sociais ao que diz serem “imagens indecorosas de um Governo que, ainda há pouco empossado, já dá somais evidentes de falta de rumo, falta de consistência e falta de liderança”.

Vice-presidente da Câmara Municipal de Cascais e ex-candidato à liderança do PSD, Miguel Pinto Luz | Foto de Cristina Bernardo

O vice-presidente da Câmara de Cascais e candidato à liderança do PSD Miguel Pinto Luz reagiu ao que considera serem “imagens indecorosas de um Governo que, ainda há pouco empossado, já dá somais evidentes de falta de rumo, falta de consistência e falta de liderança”, na sequência de notícias acerca das divergências entre António Costa e Mário Centeno, na qualidade de presidente do Eurogrupo, quanto às dotações orçamentais para a zona euro, garantindo que “o PSD não abdique, nem um só momento, de uma atitude firme e vigilante” enquanto maior partido da oposição.

“Costa faz que manda mas não manda no ministro das Finanças, Centeno faz que anda por cá mas só pensa é em andar por lá”, escreveu Miguel Pinto Luz na sua conta de Facebook, acusando os ministros de, “com a necessária anuência do chefe do Executivo”, transmitirem aos jornais a sua “profunda insatisfação com as fatias orçamentais que lhe estão destinadas para 2020”. “Os estados de alma de cada um transbordam para a praça pública, sem a menor noção de sentido de Estado”, acrescentou.

Miguel Pinto Luz é um dos três candidatos às eleições diretas para a presidência do PSD, marcadas para 11 de janeiro de 2020, disputando o cargo com o ex-líder do grupo parlamentar social-democrata, Luís Montenegro, e com o atual presidente do partido, Rui Rio.

Recomendadas

Conferência do Jornal Económico debate os grandes temas de 2023

O auditório principal do Instituto Superior de Economia e Gestão (ISEG) recebeu na passada sexta-feira, 16 de setembro, a conferência do sexto aniversário do Jornal Económico.

Primeiro-ministro espanhol testou positivo à Covid-19

Sánchez não disse se estava a sentir-se doente ou se iria cancelar outros compromissos na próxima semana.

Portugal registou 18.315 mil casos e 37 mortes de Covid-19 na última semana

A Direção-Geral da Saúde contabilizou mais 2.049 infeções em comparação à semana anterior.
Comentários