Mikhail Gorbachev: O homem certo no momento errado

O desaparecimento do principal responsável pelo fim da União Soviética coloca um fim num tempo em que o mundo era muito diferente do de hoje. Ou talvez não.

O homem que responde pelo fim da mais longa e sistemática experiência comunista, Mikhail Gorbachev, ficará para sempre na história como o presidente que selou aquilo que Lenine começara em 1917, mas também como o político que restituiu a União Soviética ao lugar de parceria com o mundo ocidental – de onde nunca verdadeiramente chegou a sair.

Ao contrário dos que dizem que Mikhail Gorbachev é apenas um dessa espécie de ‘bando dos quatro’ que acabou com o comunismo – sendo os outros a antiga primeira-ministra Margaret Thatcher, o antigo presidente dos Estados Unidos Ronald Reagan e o antigo Papa João Paulo II – ó último presidente da União Soviética foi de facto o homem que acabou com o regime. De nada teriam servido os avatares dos outros três se no de repente solitário cadeirão do comando do Kremlin não estivesse alguém que decidiu em determinada altura que o capitalismo de Estado travestido de socialismo em processo de execução não era afinal o caminho para o comunismo.

Mikhail Gorbachev ficará sempre ligado à história do século XX, seja porque colocou um termo numa aventura que há muito tinha descarrilado para fora dos limites que os ‘pais’ fundadores – num certo sentido apenas Lenine e Trotsky – tinham imaginado, seja porque foi o carrasco de um poder ditatorial que há muito extravasara para fora dos limites do seu próprio território.

Falta saber-se se é Vladimir Putin que tem razão ao dizer que o fim da União Soviética é um dos piores acontecimentos do final do século XX, ou se, ao contrário, esse fim foi o início de uma deriva capitalista em roda livre em ‘encalha’ constantemente nas idiossincrasias do seu próprio crescimento – como é o caso mais evidente da crise do subprime de 2007.

Para todos os efeitos, Mikhail Gorbachev acabou por tornar-se uma espécie de pária no seu próprio país – nunca tendo conseguido qualquer reconhecimento especial por ter acabado com a União Soviética, nem usufruído das prebendas com que outros gostariam de se comprazer. De algum modo, isso pode querer dizer que o próprio Mikhail Gorbachev não estaria completamente confortável com o que despoletou. Desde logo porque, ao contrário do que há de ter sonhado, o mundo em volta da antiga União Soviética e dos vários Estados que dela surgiram não compreenderam de todo o que se passava.

Não é preciso ser-se fã de Putin para se perceber que os Estados Unidos trataram, nos anos seguintes a 1991, de destratar a Rússia como se achassem – e com certeza acharam – que o desprezo era o pagamento mais correto para mais de 70 anos de comunismo. Essa humilhação internacional, reconhecida por muitos analistas que não têm nada a ver com a defesa das loucuras de Putin, marcou para sempre o mundo a partir de 24 de fevereiro passado e ninguém sabe quando deixará de marcar.

Convém não esquecer que Mikhail Gorbachev assegurou (achava ele) que o espaço vital da Rússia seria mantido – ou seja, que a NATO se manteria longe das suas fronteiras – o que acabou por não suceder, precipitando consequências que os georgianos foram os primeiros a sentir na pele.

Retirado havia muito da ribalta dos palcos das conferências – por onde circulam pretensos estadistas que têm bem menos que dizer ao mundo – Mikhail Gorbachev ficará para a história como o homem certo no momento errado: se tivesse sido o primeiro presidente da Rússia e não o último da União Soviética, talvez o mundo tivesse ganho muito com isso. Não foi assim.

Recomendadas

Eleições do Brasil: Lula da Silva vota em eleição que pode definir seu regresso ao Governo

Além de Lula da Silva e Bolsonaro, disputam as presidenciais brasileiras os candidatos Ciro Gomes, Simone Tebet, Luís Felipe D’Ávila, Soraya Tronicke, Eymael, Padre Kelmon, Leonardo Pericles, Sofia Manzano e Vera Lúcia.

Papa Francisco pede a Putin para parar a guerra e alerta para risco nuclear

Francisco sempre mostrou preocupação com a guerra na Ucrânia, chegando a ponderar uma viagem a este país, e agora decidiu dedicar o Angelus a refletir sobre este problema, algo que raramente acontece, sendo que a última vez que ocorreu em 2013 para pedir a paz na Síria.

Eleições do Brasil: Bolsonaro vota e garante que vencerá presidenciais na primeira volta

“A expectativa é de vitória hoje. Nesses 45 dias, fui praticamente em todos os estados do Brasil. Ontem, em Joinville, algo nunca visto no Brasil, tanta gente na rua. Eleições limpas, sem problema nenhum”, declarou.
Comentários