Mil maiores empresas portuguesas vendem menos mas estão mais rentáveis

Volume de negócios diminuiu em 2015, mas elite de empresas em Portugal aumentou lucro consolidado em quase dois mil milhões de euros.

Comunique com entusiasmo.

O conjunto das 1000 maiores empresas portuguesas arrecadou receitas de 144,7 mil milhões de euros, o equivalente a mais de 80% do Produto Interno Bruto nacional (PIB). Os dados são referentes a 2015 e resultam de um ranking elaborado pela consultora Ignios. O volume de negócios registou, no entanto, uma queda face ao ano anterior.

Apesar da queda de 2,8 mil milhões de euros n o volume de negócios, as 1000 empresas foram mais eficientes, impulsionando a rentabilidade. O lucro consolidado subiu para 6,3 mil milhões em 2015, de 4,6 mil milhões de euros em 2014, um acréscimo de 37,5%.

Não foram só os lucros que fizeram a elite empresarial crescer. Estas empresas também foram responsáveis pela criação de 36 mil novos postos de trabalho em 2015, sendo que no ano anterior, o número de postos criados não chegou aos 18 mil.

As empresas de trabalho temporário foram as grandes líderes da contratação, com registos de 30 mil novos trabalhadores. O número total de funcionários no final de 2015 alcançou, assim, os 543.559.

No que diz respeito às exportações, as mil maiores empresas portuguesas não tiveram resultados tão positivos. Em 2015, 77% das exportações totais do país vieram destas empresas, rendendo 38,5 mil milhões de euros. No entanto, o peso das exportações destas firmas no panorama nacional tinha sido de 85% em 2014, ou seja, houve uma quebra de oito pontos percentuais.

Relacionadas

ISEG: Crescimento do PIB deve manter-se inalterado até ao fim do ano

Para a totalidade deste ano, a previsão para o crescimento do PIB mantém-se no intervalo de 1,2% a 1,3%.

Turismo ajudou Algarve liderar o crescimento económico em 2015

Regiões Norte e Centro também tiveram um aumento no PIB superior à média nacional de 1,6%

Os incentivos ao empreendedorismo para 2017

Após a aprovação do Orçamento do Estado para 2017 e numa altura em que se aguarda a promulgação do diploma pelo Presidente da República, relembramos o que se espera a nível de incentivos ao empreendedorismo, com destaque para o Programa Semente.

Desemprego atinge o valor mais baixo desde 2009

Em novembro, o IEFP contabilizou menos 63 816 desempregados. Desemprego jovem foi o que registou a maior quebra (-17,3%).
Recomendadas

Topo da Agenda: o que não pode perder nos mercados e na economia esta semana

A semana arranca com os mercados a reagir aos resultados eleitorais em Itália. Esta segunda-feira, Christine Lagarde fala no Parlamento Europeu e, por cá, o Instituto Nacional de Estatística divulga as tábuas da mortalidade em Portugal, referentes ao período pandémico. Conheça a agenda da semana.

Cheque-família começa a ser pago a partir de 20 de outubro, anuncia Marques Mendes

No seu espaço habitual de comentário ao domingo no Jornal da Noite da Sic, Marques Mendes assegurou que este apoio, anunciado pelo Governo a 5 de setembro, vai começar a chegar às contas bancárias das famílias a partir do dia 20 do próximo mês.

Comissão Europeia diz que Portugal é “moderadamente inovador”

O país encontra-se no grupo dos países moderadamente inovadores, passando da 19ª para a 17ª posição entre os 27 Estados-Membros, segundo os dados da Comissão Europeia tornados públicos pela ANI (Agência Nacional de Inovação).
Comentários