Milhares de pessoas protestam em Lisboa por melhores salários e pensões

A manifestação nacional convocada pela CGTP-IN tem como lema “Todos a Lisboa! Aumento Geral dos Salários e Pensões – Emergência Nacional”.

Manifestação da CGTP na Avenida Almirante Reis em Lisboa. Inês Amado/JE

Milhares de trabalhadores começaram a descer este sábado a Avenida da Liberdade, em Lisboa, já passava das 16:00, em direção aos Restauradores, para reivindicarem aumentos salariais e das pensões, entre outras medidas, face ao aumento do custo de vida.

A manifestação nacional convocada pela CGTP-IN tem como lema “Todos a Lisboa! Aumento Geral dos Salários e Pensões – Emergência Nacional”, para representar trabalhadores da administração pública dos setores das autarquias, educação, saúde e serviços públicos e também do setor privado, desde a indústria ao comércio, à hotelaria e alimentação, entre outros.

“Costa, escuta: o povo está em luta” ou “o povo unido, jamais será vencido” são algumas das palavras de ordem que se ouvem entre os manifestantes que reclamam contra “os baixos salários”.

Entre faixas onde se pode ler “contra a precariedade”, “por salários reais” ou “posto de trabalho permanente igual a vínculo de trabalho efetivo”, um grupo de mineiros canta em protesto, outros jovens que defendem que a luta “continua nas empresas e na rua” ou um grupo alargado, com vários pensionistas, que protesta contra “uma vida a trabalhar, as pensões estão a roubar”.

A manifestação foi organizada setores, tendo tido duas pré-concentrações, uma da Administração Pública, que partiu das Amoreiras, e outra dos trabalhadores do setor privado e do setor empresarial do Estado, que arrancou do Saldanha.

Os trabalhadores seguiram rumo ao Marquês de Pombal, de onde partem agora pela a Avenida da Liberdade em direção aos Restauradores, onde estão previstas as intervenções da Interjovem e da secretária-geral da CGTP, Isabel Camarinh

Convocado em 17 de fevereiro, no protesto a intersindical exige o aumento dos salários e pensões “no imediato” de pelo menos 10% ou de 100 euros no mínimo para todos os trabalhadores, bem como a fixação de limites máximos nos preços dos bens e serviços essenciais e a taxação extraordinária “sobre os lucros colossais das grandes empresas”.

A manifestação nacional da CGTP acontece um dia depois de uma greve nacional da administração pública, convocada pela Frente Comum de Sindicatos, estrutura da CGTP.

Recomendadas

ACT fez 36 inspeções em quintas do Douro e levantou 19 contraordenações em 2022

A Autoridade para as Condições do Trabalho realizou 36 visitas inspetivas nas quintas do Douro, em 2022, e instaurou 19 processos de contraordenação, tendo sido identificados 410 trabalhadores, informou o Ministério do Trabalho em resposta ao PCP.

Costa: BCE agiu mal ao subir taxas de juro “doa a quem doer”

O primeiro-ministro criticou hoje a subida das taxas de juro por parte do Banco Central Europeu (BCE) e considerou que “é hoje mais importante do que nunca” o país continuar a reduzir a sua dívida.

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta quarta-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta quarta-feira.
Comentários