Milhares de tropas russas cercadas na região anexada de Donetsk, diz Kiev

A Ucrânia reivindicou hoje ter cercado milhares de soldados russos na zona da cidade de Lyman, na região de Donetsk, anexada pela Rússia, onde retomou o controlo de cinco aldeias.

Bucha, Ucrânia

“As forças russas estão cercadas em Lyman”, disse o porta-voz do exército ucraniano, Sergei Cherevatiy à televisão ucraniana, citado pela agência francesa AFP.

De acordo com o porta-voz, mais de 5.000 soldados russos tinham-se entrincheirado na cidade de Lyman e arredores nos últimos dias, mas o seu número poderá ter diminuído devido aos combates ocorridos desde então.

“Os soldados russos baseados em Lyman abordaram os seus superiores com um pedido de retirada, mas este foi rejeitado”, disse o porta-voz, segundo a agência espanhola EFE.

O governador da região vizinha de Lugansk, Serguei Gaidai, escreveu nas redes sociais que os soldados russos cercados têm como opções “fugir, morrer juntos ou render-se”, noticiou a AFP.

O porta-voz do exército ucraniano disse que as tropas de Kiev recuperaram o controlo de cinco aldeias em redor de Lyman, aumentando a pressão sobre os soldados russos que se encontram encurralados.

“As medidas de estabilização continuam aí”, afirmou, segundo a EFE.

O mesmo porta-voz disse que quase todas as rotas de fuga ou de fornecimento de munições das forças russas na zona estão bloqueadas.

As informações sobre a guerra na Ucrânia divulgadas pelas duas partes não podem ser verificadas de imediato por fontes independentes.

Donetsk, no Donbass, é uma das quatro regiões anexadas pela Rússia na sexta-feira, após referendos realizados em tempo de guerra, cuja legitimidade não foi reconhecida pela Ucrânia nem pela comunidade internacional.

Além de Donetsk, o Presidente russo, Vladimir Putin, formalizou a anexação de Lugansk, também no Donbass, Kherson e Zaporijia (sul).

A Rússia já tinha anexado a península ucraniana da Crimeia em 2014, também após um referendo realizado sob ocupação militar.

Na sexta-feira, um alto funcionário separatista pró-russo admitiu que os russos estavam a lutar em Lyman no limite, numa situação que descreveu como difícil, segundo a AFP.

Depois de Moscovo ter reivindicado o controlo do leste da Ucrânia, no âmbito da ofensiva iniciada em 24 de fevereiro deste ano, as forças ucranianas lançaram uma contraofensiva nas últimas semanas, que lhes permitiu recuperar parte do território.

O exército ucraniano fez ganhos territoriais significativos na região de Kharkiv, a noroeste de Donetsk, onde Lyman está localizado.

As forças ucranianas também estão a tentar avançar na região de Donetsk, onde os russos estão a resistir, segundo a AFP.

A Ucrânia tem recebido armamento dos aliados ocidentais, que terá sido decisivo para a contraofensiva lançada pelas suas forças.

Devido aos reveses militares na Ucrânia, Putin decretou, em 21 de setembro, uma mobilização parcial que abrange 300.000 reservistas.

Desde então, milhares de russos fugiram para países vizinhos para escapar à mobilização.

Recomendadas

Angola pede justiça e serenidade a São Tomé após ataque a quartel

O presidente angolano, João Lourenço, declarou que segue “com grave preocupação” a situação em São Tome e Príncipe e apelou para que se procure agir “com espírito de justiça e serenidade”.

União Europeia paga transporte de cereais ucranianos para países vulneráveis

A iniciativa pretende fornecer cereais gratuitos a pelo menos cinco milhões de pessoas, em países como o Sudão, o Iémen, o Quénia e a Nigéria até ao final da primavera de 2023.

Vaticano lamenta que a China não cumpra acordo sobre bispos

Em causa está a nomeação pelas autoridades chinesas de Giovanni Peng Weizhao como bispo de Yujiang, na província de Jiangxi, uma diocese “não reconhecida pela Santa Sé”.
Comentários