Milhões das apostas desportivas no futebol nacional geram preocupação

As verbas elevadas envolvidas em apostas abrem as portas a grupos interessados na manipulação de resultados (match fixing).Cada jornada do futebol português movimenta 340 milhões de euros em apostas.

A cada jogo da Liga NOS são geradas apostas no valor médio de 32 milhões de euros, sendo que por cada jornada as casas de apostas online recebem prognósticos de todo o mundo no valor de 288 milhões, noticia o “Diário de Notícias” (DN) esta segunda-feira.

De acordo com os dados da Sportradar, empresa de monitorização de apostas que trabalha para a FIFA, cedidos ao DN, só no caso de um jogo entre os três grandes do futebol português (Benfica, Porto e Sporting), o valor das apostas pode chegar aos 100 milhões. Na Ledman LigaPro (II Liga), o valor médio por encontro ronda os cinco milhões.

Cada ronda do futebol profissional pode chegar aos 340 milhões, de acordo com o DN.

No futebol amoador ou semi-profissional também há apostas, mas o dinheiro envolvido é menor. No Campeonato Nacional de Seniores (antiga III Divisão nacional), registam-se 122 mil euros por jogo.

Segundo o DN, as verbas elevadas envolvidas em apostas, abrem as portas a grupos interessados na manipulação de resultados (match fixing).

A oferta de dinheiro a atletas para viciarem resultados tem sido uma preocupação mundial para os organismos reguladores, sendo que o match fixing já terá chegado aos escalões de formação do futebol.

Para minimizar a situação, a Liga Profissional de Futebol, o Sindicato dos Jogadores e a Federação Portuguesa de Futebol, têm efetuado sessões de esclarecimento.

Também o presidente do Comité Olímpico de Portugal, José Manuel Constantino, já tinha revelado preocupação com o match fixing, que põe em causa “a credibilidade do desporto”. Numa entrevista ao Jornal Economico, no início de Janeiro, o responsável contou que “contrariamente àquilo que se possa pensar, o problema dos resultados combinados ocorre transversalmente à generalidade das modalidades desportivas, à generalidade dos escalões etários e não se circunscreve àquilo que é o domínio das chamadas apostas desportivas legais, porque há uma situação paralela de natureza ilegal que percorre todas as modalidades desportivas”.

“Para nossa grande surpresa o problema em Portugal tem uma escala superior àquela que nós imaginávamos”, ocorrendo com bastante frequência em camadas mais jovens.

Para minimizar a situação, a Liga Profissional de Futebol, o Sindicato dos Jogadores e a Federação Portuguesa de Futebol, têm efetuado sessões de esclarecimento.

Este cenário também pode conduzir os agentes desportivos (jogadores e outros responsáveis) até às apostas ilegais. Vale a pena recordar um estudo da Remote Gambling Association (RGA), divulgado em dezembro, que apontava para a perda de até 25 milhões de euros em impostos, todos os anos, pelo facto de a legislação aplicada ser “limitada”.

Relacionadas

Montepio: Banco de Portugal averigua eventual conflito de interesses na gestão de créditos à Casa da Sorte

A área de supervisão prudencial do Banco de Portugal está a analisar se há algum conflito de interesses na recuperação de créditos da Casa da Sorte.

“Match-fixing é risco maior do que a dopagem ou violência”

No ICPT, na quinta-feira,11, o presidente do Comité Olímpico apelou à mobilização dos agentes do desporto, para aumentar a competitividade. Leia a entrevista concedida ao Jornal Económico
Recomendadas

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta terça-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta terça-feira.

Revista de imprensa nacional: as notícias que estão a marcar esta terça-feira

“Salário mínimo vai perder poder de compra pela primeira vez desde 2013”; “Famílias com prazo-limite para tratar das partilhas de terrenos”; “Seleção procura lugar na final four antes do anúncio dos convocados para o Mundial”

Três adeptos impedidos de entrar em estádios por intolerância no Estoril Praia-FC Porto

Os três indivíduos podem ser punidos com coimas entre os mil e os 10 mil euros e com pena de interdição de acesso a recintos desportivos até dois anos.
Comentários