Militante histórico do PSD deixa partido em desacordo com “estratégia política” de Rio

Virgílio Costa diz que já não se revê nas razões que inspiraram a sua adesão ao partido, mas garante que continuará o combate pelos princípios e pelos valores que o levaram à política.

Cristina Bernardo

Há mais um militante histórico a bater com a porta no Partido Social Democrata (PSD). Virgílio Costa, militante há mais de 40 anos, vai deixar o partido em desacordo com a “estratégia política” e a “ausência de intervenção política” do presidente dos sociais-democratas, Rui Rio. O militante histórico do PSD diz que já não se revê nas razões que inspiraram a sua adesão ao partido, mas garante que continuará o combate pelos princípios e pelos valores que o levaram à política.

“Uma decisão. Uma vocação. Deixo este PSD sem mágoas, sem queixas, sem tragédias. Discordo da estratégia política. Discordo de algumas práticas internas e discordo da ausência de intervenção política e de combate, relativamente à governação”, escreve, numa publicação no Facebook, o antigo vice-presidente da direção do grupo parlamentar social-democrata, aquando da presidência de Luís Filipe Menezes e antigo líder do PSD de Braga.

Virgílio Costa considera que Rui Rio é “um político sério e empenhado”, mas que fez “más escolhas, das políticas e das pessoas”. “Já não são iguais as razões que inspiravam. São outras. Fazer política já não é promover jantares e berrar discursos”, afirma. “Há nacos de soberania que deixaram de ser garantia segura para o pão dos nossos filhos. Já não são nossos. Há decisões e escolhas que não podem protelar-se nem omitir-se, nem silenciar-se. Nem esconder-se nos silêncios ou nos tapetes dos gabinetes”.

O histórico do PSD afirma, no entanto, que vai continuar a lutar, com “o mesmo entusiasmo e com determinação”, pelos princípios e valores que sempre o inspiraram. “Honrarei, como sempre, a confiança dos que me outorgaram a suprema honra de, através deles, servir causas e pessoas e servir o meu país. Há momentos, em que o silêncio não basta, é preciso falar claro. Há momentos de unidade outros de rotura. Este é de rotura”, sublinha.

Recomendadas

5 de outubro: Montenegro acusa Governo de degradar ambiente político com casos

Luís Montenegro falava aos jornalistas no final da cerimónia oficial das comemorações do 112.º aniversário da implantação da República em Portugal, na qual o Presidente da República falou dos governos que “tendem quase sempre a ver-se como eternos” e das oposições “quase sempre a exasperarem-se pela espera”, afirmando em seguida que “nada é eterno” e que “a democracia é por natureza o domínio da alternativa, própria ou alheia”.

Primeira-ministra dinamarquesa convoca eleições antecipadas para novembro

O Partido Social Liberal, uma das formações que dá maioria ao Governo social-democrata, tinha ameaçado Frederiksen com uma moção de censura se não convocasse eleições, após apresentar em junho um relatório crítico sobre a gestão feita pelo executivo em relação ao abate de milhões de visons, devido a uma mutação do coronavírus.

Itália. Governo Meloni deverá misturar técnicos e fiéis da líder

O próximo Governo de Itália, chefiado por Giorgia Meloni, deverá combinar figuras de renome técnico, em pastas cruciais para as relações com Bruxelas, e fiéis da futura primeira-ministra, segundo analistas ouvidos pela Lusa.
Comentários