Ministério da Economia admite atrasos nos pagamentos do Garantir Cultura

O Ministério da Economia admitiu hoje, em resposta à Lusa, atrasos no pagamento dos apoios no subprograma do Garantir Cultura para o tecido empresarial, por falta de recursos humanos e pelo grande número de pedidos apresentados em pouco tempo.

Na semana passada, a agência Lusa noticiou que cerca de um ano e meio depois de terem sido aprovados os projetos apoiados naquele subprograma, ainda há empresas com parte do valor que lhes foi atribuído por receber. A denúncia partiu da Associação Espetáculo – Agentes e Produtores Portugueses (AEAPP), em carta aberta, e a Lusa falou com alguns empresários, contemplados com apoios do Garantir Cultura, a quem falta receber parte do apoio.

Em resposta a questões enviadas pela Lusa, fonte oficial do Ministério da Economia e do Mar escreveu que “o Turismo de Portugal confirma o atraso no tratamento das tranches finais” dos apoios atribuídos no subprograma do Garantir Cultura para o tecido empresarial.

Com uma dotação total de 53 milhões de euros, o Garantir Cultura é um programa de apoio à criação e à programação artísticas, criado pelo Governo em contexto de pandemia e que foi dividido em dois subprogramas: um para empresas, gerido pelo COMPETE 2020 (sob alçada do Ministério da Economia, através do Turismo de Portugal) e com uma dotação de 30 milhões de euros, e um outro para entidades artísticas, gerido pelo GEPAC (sob alçada do Ministério da Cultura), e com uma dotação de 23 milhões de euros.

Os pagamentos no subprograma para as entidades artísticas são feitos em duas tranches, de 50% cada uma, já os do tecido empresarial são feitos em três: a primeira é de 50%, a segunda de 35% e a terceira de 15% do valor do apoio concedido.

Segundo o Ministério da Economia, “a razão do atraso [no pagamento da terceira tranche] deve-se ao elevado volume de pedidos apresentados num espaço de tempo muito concentrado e à incapacidade de, com a dimensão da equipa interna daquele instituto, e apesar dos esforços, se conseguir instruir os pedidos e pagá-los com a celeridade que seria exigível”.

“Por essa razão, procedeu-se à contratação de uma empresa externa, que apenas iniciou os seus trabalhos em outubro (já em resultado de um segundo procedimento de contratação pública, uma vez que o primeiro ficou deserto)”, lê-se na resposta enviada à agência Lusa.

Além disso, “reavaliada a situação, e tendo presente o grande volume de processos atualmente em fase de instrução para o pagamento da tranche final”, o Turismo de Portugal tem “em curso um procedimento com vista à contratação externa de recursos adicionais, no sentido de reforçar as equipas interna e externa atualmente existentes, tendo em vista imprimir maior rapidez na instrução dos processos”.

De acordo com o Ministério da Economia, no subprograma do Garantir Cultura para o tecido empresarial “foram aprovadas e contratadas 621 candidaturas, com um valor de incentivo de 29,5 milhões de euros, dos quais cerca de 20 milhões de euros (cerca de 68%) foram já libertos para as empresas”.

A tutela salienta que, “neste momento, não existe nenhum processo com a primeira ou a segunda tranche de incentivo por libertar, tendo em conta o mapa de investimento objeto da candidatura e contratado”.

“Com este pressuposto, todos os pedidos apresentados ao Turismo de Portugal relativos à primeira ou à segunda tranche (esta última associada ao pedido de pagamento final), que tivessem incentivo a libertar, foram já processados e pagos”, garante.

A lista de projetos apoiados no subprograma para o tecido empresarial foi publicada no site do COMPETE 2020 em 31 de maio do ano passado.

Os atrasos nos pagamentos verificam-se também no subprograma destinado a entidades artísticas, tendo o ministro da Cultura, Pedro Adão e Silva, atualizado em julho numa audição parlamentar o número de projetos afetados. Nessa altura, o governante falou em 30 projetos cujos prazos de pagamento da segunda tranche ultrapassaram os trinta dias.

A Lusa pediu uma nova atualização dos dados ao Ministério da Cultura, mas até ao momento não obteve resposta.

Entretanto, em 02 de novembro, o ministro da Cultura, à margem da apresentação da ‘app’ Portugal Contemporary Art Guide, em Lisboa, afirmou que “na componente Cultura, não há praticamente atrasos nenhuns”. “Julgo que é próximo do zero. A parte da Economia tem estado a trabalhar para recuperar o atraso, não lhe consigo dizer o número exato”, afirmou, em resposta à agência Lusa.

De acordo com dados disponibilizados em 29 de julho, no ‘site’ do GEPAC, foram apoiados 1.095 projetos, com 21,8 milhões de euros.

Recomendadas

“Annie Ernaux, os anos super 8”: juntar o íntimo ao social e à História

O público português pode marcar encontro com a escritora francesa Annie Ernaux, Nobel da Literatura 2022. No grande ecrã, estreia um documentário que é também um retrato social, a 15 de dezembro, e nas livrarias irá encontrar a reedição de uma obra sua esgotada há 20 anos.

António Costa e a maldição do sete. Ouça o podcast “Maquiavel para Principiantes”

“Maquiavel para Principiantes”, o podcast semanal do JE da autoria do especialista em comunicação e cronista do “Jornal Económico”, Rui Calafate, pode ser ouvido em plataformas multimédia como Apple Podcasts e Spotify.

Didier Fiúza Faustino: 30 anos a questionar

Os projetos do “artista-arquiteto” franco-português, como o próprio se define, são marcados pelo questionamento do papel político da criação e da nossa posição enquanto sujeitos e cidadãos. O MAAT, em Lisboa, dedica-lhe uma retrospetiva que Faustino vê mais como um exercício prospetivo.
Comentários