Ministério da Saúde abre 1.600 vagas para especialistas

Ministra da Saúde, Marta Temido, apresenta plano de respostas para urgências externas de ginecologia e obstetrícia. Há 802 especialistas da área no SNS e 38 hospitais com estas urgências, o que cria dificuldades em assegurar as equipas, explicou.

A ministra da Saúde, Marta Temido, apresentou um plano de respostas destinado “a apoiar as administrações regionais de saúde e as administrações dos hospitais a responder aos constrangimentos nas urgências externas de ginecologia e obstetrícia e bloco de partos”.

Em conferência de imprensa, Marta Temido disse que vai ser posto em prática o plano de medidas de curto prazo para resolver “os problemas que resultam da fragilidade de recursos humanos no Serviço Nacional de Saúde para assegurar as escalas destas especialidades em urgência externa”.

“Há 802 especialistas em ginecologias e obstetrícia no SNS e 38 hospitais com estas urgências, o que cria dificuldades em assegurar as equipas seguindo as recomendações do Colégio de ginecologia e obstetrícia da Ordem dos Médicos”, disse.

A ministra referiu que “tem falhado a articulação regional”, pelo que se cria “uma comissão de acompanhamento da resposta nestas especialidades com cinco coordenadores regionais e um nacional”, que coordenarão os recursos do SNS e os articularão com os setores privado e social.

Por outro lado, “há reuniões marcadas com sindicatos para rever questões associadas à remuneração dos médicos em serviço de urgência. O Governo desenhou uma proposta de solução que responde às principais preocupações dos médicos”, com correção de desigualdades de pagamentos geradas pelo recurso a tarefeiros, investindo “na valorização dos médicos dos quadros dos hospitais”.

No médio prazo, o Governo indicará o grupo de trabalho referido e outros técnicos “para desenhar de novo a rede de referenciação hospitalar, no prazo de 180 dias”, o que era já uma meta do Plano de Recuperação e Resiliência, bem como para “redesenhar a rede de referenciação hospitalar de urgência e emergência”, outra reforma do PRR.

Marta Temido acrescentou ainda que “o Governo está empenhado em trabalhar em articulação com as Ordem dos Médicos para reforçar as capacidades de formação”. Ainda esta quinta-feira, “será publicado um despacho que abre 1.600 vagas para recém-especialistas, sendo 1.182 na área hospitalar, das quais mais de 50 em ginecologia e obstetrícia, 432 na de medicina geral e familiar e 25 na da saúde pública”, anunciou.

A ministra disse que o SNS forma cerca de 25 especialistas em ginecologia e obstetrícia, mas o Governo abre um número superior de vagas nesta especialidade, tendo em conta que pretende “contratar todos os médicos que queiram trabalhar no SNS”.

As vagas permitirão a “solução de alguns problemas» ao nível dos médicos do SNS, mas também o «início de projetos profissionais que sejam interessantes para quem os integra e úteis para o país”.

Marta Temido disse ainda que o Governo está empenhado em contrariar o “fenómeno da dependência” das unidades do SNS das empresas prestadoras de serviços na área médica, alegando que essa é “uma entorse que tem de ser corrigida”.

A ministra disse que “há muitos problemas no SNS, alguns de natureza estrutural, e outros que são problemas do sistema. Os episódios que correm mal – muitas vezes dramáticos – indiciam problemas e vamos apurar responsabilidades, mesmo que sejam do Ministério da Saúde, mas, sobretudo, corrigir os problemas para evitar que se repitam”.

Marta Temido apelou “à união e ao foco nos utentes e ao espírito de trabalho em equipa, que é o único que pode resolver os problemas do Serviço Nacional de Saúde”.

Relacionadas

Pressão no SNS não se deve a “nenhum condicionamento financeiro”

“O que está a acontecer relativamente ao nosso Serviço Nacional de Saúde não decorre de nenhum condicionamento financeiro que lhe tenha sido imposto, pelo contrário”, declarou o ministro das Finanças, Fernando Medina, aos jornalistas portugueses à entrada para a reunião do Eurogrupo, no Luxemburgo.

Ministra da Saúde anuncia comissão para responder à crise nas urgências e revisão das tabelas salariais no SNS

Sobre as funções da nova comissão, a ministra afirma que têm como objetivo “identificar os recursos disponíveis por hospital e região, mas também aprovar um modelo de articulação e gestão integrada dos hospitais de cada região, apoiando as administrações regionais de saúde nesse trabalho, centralizando, analisando e apoiando os planos de contingência de cada hospital”.
Recomendadas

Monkeypox. OMS pede ação ‘urgente’ para conter a propagação na Europa

Nove em dez casos confirmados em laboratório em todo o mundo – ou 4.500 infeções – estão na Europa, disse o diretor regional da OMS para a Europa, Henri Kluge. Assim, a região continua no centro do surto em expansão.

Luz Saúde diz não ter cometido infrações e vai exercer direitos face à multa da AdC

A Luz Saúde disse que o processo negocial refletiu metodologia adotada apenas para as negociações em causa, que, “a pedido da própria ADSE, foi acordada entre esta e a APHP, em representação dos seus associados”.

Portugal registou 73.293 novos casos de Covid-19 e 146 mortes na última semana

Entre 21 e 27 de junho, registou-se uma descida no número de casos positivos por Covid-19 (22.011) e morreram menos 97 pessoas quando comparado com a semana anterior, revela a DGS.
Comentários