Ministério do Trabalho pede inspeção urgente à associação Raríssimas

José António Vieira da Silva disse, em conferência de imprensa, que “não é verdade que tenhamos tido conhecimento desta gestão danosa”. Em causa está a reportagem do canal de Queluz que trouxe a público documentos e testemunhos comprometedores sobre o trabalho da presidente da associação Raríssimas.

O ministro do Trabalho, da Solidariedade e da Segurança Social afirma que não teve conhecimento prévio sobre as denúncias que foram feitas, e divulgadas pela TVI, sobre a gestão danosa da Raríssimas – Associação Nacional de Deficiências Mentais e Raras.

José António da Fonseca Vieira da Silva disse em conferência de imprensa, esta tarde, que “não é verdade que tenhamos tido conhecimento desta gestão danosa”, sublinhando que não soube do caso antes, “nem em agosto nem, nem em outubro”, exemplificou, acrescentando que “o Instituto da Segurança Social desencadeou um conjunto de procedimentos dirigindo ao serviço de fiscalização”, que “iniciou um  processo de averiguações”.

O governante assegurou aos meios de comunicação social que apenas teve conhecimento dos casos relatados no momento em que foram contactados pela estação televisiva TVI. “Nunca foi entregue ao meu gabinete ou ao da senhora secretária de Estado denúncias de gestão danosa. (…) Obviamente que, no conhecimento dessas peças (…), foi nossa decisão, depois de avaliarmos a situação, solicitarmos ao senhor inspetor-geral da Inspeção-Geral do Ministério da Solidariedade e da Segurança Social que, com caráter de urgência, fosse feita uma inspeção global à instituição”, reaçou o ministro da tutela.

O Ministério do Trabalho junta-se, assim, à Procuradoria-Geral da República no leque de entidades que estão a investigar o caso. O Ministério Público confirmou esta segunda-feira que está em curso um inquérito à gestão da Raríssimas, desde o final do mês passado e que está a cargo do Departamento de Investigação e Ação Penal de Lisboa, cuja origem partiu de uma “denúncia anónima”.

Em causa está a reportagem do canal de Queluz que trouxe a público documentos e testemunhos comprometedores sobre o trabalho da presidente da associação Raríssimas, Paula Brito e Costa. A TVI noticiou ainda que o ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social sabia de antemão todas as irregularidades.

O trabalho jornalístico dá conta de despesas pessoais elevadas em vestuário e deslocações por parte de Paula Brito da Costa e noticia que a presidente aufere cerca de seis mil euros por mês em ordenados e despesas de representação. Na investigação, o secretário de Estado da Saúde, que foi consultor da associação recebendo 3 mil euros por mês, e a deputada socialista Sónia Fertuzinhos, que viajou até à Noruega paga pela Raríssimas também surgem envolvidos no esquema de utilização fraudulenta de recursos associativos.

Segundo a TVI, uma carta enviada pelo ex-tesoureiro da Raríssimas Jorge Nunes, datada a 9 de agosto, pedia a intervenção de José António Vieira da Silva, através do Instituto da Segurança Social. A polémica surgiu dessa missiva, que levou a entender que o ministro já teria de ter conhecimento das irregularidades nas contas desta associação solidária.

Notícia atualizada às 16h17

Relacionadas

Vieira da Silva foi vice-presidente da Assembleia-Geral da Raríssimas

José António Vieira da Silva, ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, foi vice-presidente da Assembleia Geral da Raríssimas, entre 2013 e 2015.

Raríssimas é alvo de investigação do Ministério Público desde novembro

A primeira reação oficial às irregularidades descobertas pela TVI surgiu no domingo. Em comunicado, o Ministério da Segurança Social comunicou que vai “avaliar” os factos relatados e que vai agir “em conformidade”.

Respostas Rápidas: O que precisa saber sobre o caso Raríssimas

Uma reportagem da TVI sobre a gestão da associação Raríssimas está a provocar polémica e já levou à abertura de inquéritos pela Polícia Judiciária e pela Segurança Social. Conheça os factos por detrás da polémica.

Página de Facebook e site da associação Raríssimas bloqueados

A reportagem da jornalista da TVI Ana Leal, com imagem de Nuno Quá, grafismo de Rui Ribeiro e edição de imagem de João Pedro Ferreira, revelou documentos e testemunhos que põem em causa a gestão da associação por parte da sua presidente.

Deputado do PSD já não vai tomar posse como vice da Raríssimas

Ricardo Baptista Leite ia assumir funções de vice-presidente da Raríssimas, mas voltou atrás na decisão devido às acusações de má gestão da instituição. Em declarações ao Observador, o deputado afirmou que não existem neste momento condições.
Recomendadas

Premium“Portugal é um país onde ainda compensa ser-se corrupto”

Quem o diz é o presidente da Transparência Internacional Portugal, Nuno Cunha Rolo. Já a deputada socialista Alexandra Leitão lamenta que se coloquem os políticos todos no mesmo saco.

PremiumTdC alerta Açores para deterioração das contas públicas

Tribunal de Contas destaca que só nos dois últimos anos a dívida pública da região aumentou em 572 milhões de euros.

Corrupção. Em menos de onze meses, já há mais 733 novos inquéritos do que na totalidade de 2021

Entre 1 de janeiro e 25 de novembro de 2022, foram registados 3.598 novos inquéritos relativos a crimes de corrupção e criminalidade conexa, aumento considerável face à totalidade do ano de 2021, período em que deram entrada 2.865 inquéritos, revela a Procuradoria Geral da República em comunicado.
Comentários