Ministério garante que pagamento de salários nas AEC será “cumprido muito brevemente”

Os pagamentos estão “apenas pendentes de um procedimento administrativo”, avança fonte oficial. Fenprof diz que em causa estão “milhares de docentes” sem salário desde maio.

O Ministério da Educação garante que os pagamentos dos salários em falta desde maio a professores afectos às atividades de enriquecimento curricular (AEC) “serão cumpridos muito brevemente”, sem no entanto avançar uma data.

Fonte oficial do Ministério da Educação disse ao Jornal Económico que os pagamentos estão “apenas pendentes de um procedimento administrativo”.

A Federação Nacional dos Professores (Fenprof) voltou ontem a denunciar o atraso nas transferências às entidades promotoras de AEC, afirmando em comunicado que em causa estão “milhares de docentes que, após maio, deixaram de receber salário, apesar de nunca terem abandonado a sua atividade”.

“O Ministério da Educação deixou de transferir, para as entidades promotoras de AEC, as verbas indispensáveis para garantir o pagamento dos parcos salários devidos aos docentes que, de forma absolutamente precária, exercem atividade naquele âmbito”, lê-se no comunicado da estrutura sindical.

A Fenfprof exige “o imediato desbloqueamento da situação” e “um pedido de desculpa” aos professores afetados.

O Jornal Económico questionou a fonte do Ministério da Educação sobre o número de professores afetados pelos atrasos nos salários mas não obteve resposta.

Relacionadas

Fenprof exige pagamento dos ordenados em atraso das AEC

Há três meses que os ordenados dos professores dedicados às atividades de enriquecimento curricular (AEC) estão em atraso e hoje a Fenprof exigiu que isso seja corrigido de imediato.
Recomendadas

MNE espera que conferência da ONU dê “ímpeto decisivo” para mudar relação com o mar

A posição foi transmitida na cerimónia de hastear da bandeira das Nações Unidas (ONU), na Altice Arena, em Lisboa, assinalando a realização da segunda Conferência dos Oceanos da ONU, coorganizada pelos governos de Portugal e do Quénia.

BIS: Inflação alta exige medidas decisivas e atempadas dos bancos centrais

A “prioridade dos bancos centrais é recuperar uma inflação baixa e estável. Ao fazê-lo, devem procurar minimizar o impacto na atividade económica, salvaguardando assim a estabilidade financeira”, defende o Bank for International Settlements (BIS).

Proteção de Dados avisa que proposta de lei dos metadados fere direitos fundamentais

A Comissão Nacional de Proteção de Dados (CNPD) critica, num parecer, o facto de o acesso aos metadados por parte do Ministério Público e polícias não estar sujeito a controlo por parte de um juiz de instrução.
Comentários