Ministério Público ordena execução de bens e ativos de Ricardo Salgado

Processo de contraordenação do Banco de Portugal implicou coima de 3,7 milhões de euros que terá de ser paga pelo ex-presidente do Banco Espírito Santo. Contas bancárias, pensão de reforma, imóveis e obras de arte são alvo da execução judicial.

O Ministério Público deu ordem para que sejam executados bens e ativos de Ricardo Salgado no valor dos 3,7 milhões de euros que correspondem à coima do Banco de Portugal num processo de contraordenação ao presidente do Banco Espírito Santo (BES) por falhas de desempenho enquanto banqueiro, incluindo atos de gestão ruinosa e falhas de implementação de sistemas de gestão de risco na colocação de papel comercial emitido por sociedades do antigo Grupo Espírito Santo (GES), o qual acabou por ser subscrito por clientes do banco que, no âmbito do processo de resolução, deu origem ao Novo Banco.

Segundo a manchete da edição semanal do “Expresso”, o processo de contraordenação foi o primeiro a transitar em julgado entre os que recaem sobre o ex-líder do GES, levando a que sejam executadas contas bancárias, a pensão de reforma, moradias e várias obras de arte detidas por Ricardo Salgado.

“A ordem de execução apanha a maioria dos bens publicamente ligados a Salgado já arrestados preventivamente por requerimento do Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP), validado pelo juiz de instrução do Tribunal Central de Instrução Criminal de Lisboa, Carlos Alexandre, ao abrigo do megaprocesso do Universo Espírito Santo, em que Salgado é acusado de 65 crimes”, lê-se nessa notícia.

Relacionadas

“Não é o arguido que decide ter Alzheimer”, diz advogado de Ricardo Salgado

O advogado de Ricardo Salgado criticou esta sexta-feira a decisão do coletivo de juízes de não suspender o julgamento do ex-banqueiro, depois de ter sido apresentado um atestado médico que certificava o diagnóstico de doença de Alzheimer do arguido.

Parlamento “apreciou” o relatório final da CPI ao Novo Banco reafirmando as conclusões

O relatório final da CPI ao Novo Banco foi elogiado pela sua utilidade pública da informação que revelou. Mas não escapou a críticas de “partidarite” nos relatórios preliminar e final.

BES: CMVM multa Ricardo Salgado em 2 milhões de euros no caso do papel comercial da Rio Forte

A CMVM aplicou ainda a Ricardo Salgado “a sanção acessória de inibição do exercício de funções de administração, direção, chefia ou fiscalização e, em geral, de representação de quaisquer intermediários financeiros no âmbito de todas as atividades de intermediação em valores mobiliários ou outros instrumentos financeiros”, durante cinco anos.
Recomendadas

Crédito à habitação. Governo suspende comissão de amortização antecipada em 2023

O Governo afasta, contudo, um regresso das moratórias no crédito da casa. Uma medida que iria “criar uma ilusão às pessoas de que podemos acabar com o aumento das taxas de juro”, disse o secretário de Estado do Tesouro.

XTB não antevê eclosão de outra crise financeira global com a situação do Credit Suisse

“Na situação atual, a eclosão de outra crise financeira global como consequência do potencial colapso deste banco parece improvável, mas mesmo assim as consequências locais e a curto prazo do futuro questionável do Credit Suisse devem ser tidas em conta”, concluem os analistas da corretora.

Fidelidade reforça posição na seguradora peruana La Positiva para 93,9%

Na sequência de uma OPA, a Fidelidade passou a controlar 93,9% da seguradora e para isso faz um investimento de 396,3 milhões de soles, o equivalente a cerca de 101,2 milhões de euros.
Comentários