Ministério Público pede pena de prisão para jovem que planeou ataque terrorista à Faculdade de Ciências

Nas alegações finais do julgamento, a procuradora Ana Pais referiu que, tendo em conta os factos confessados pelo arguido, João Carreira deverá ser condenado naquela pena de prisão pelos crimes de treino para terrorismo (da lei do terrorismo) e detenção de arma proibida.

O Ministério Público pediu hoje a condenação do estudante acusado de planear um ataque terrorista à Faculdade de Ciências de Lisboa a uma pena não inferior a três anos e meio de prisão efetiva em estabelecimento prisional com acompanhamento psiquiátrico.

Nas alegações finais do julgamento, a procuradora Ana Pais referiu que, tendo em conta os factos confessados pelo arguido, João Carreira deverá ser condenado naquela pena de prisão pelos crimes de treino para terrorismo (da lei do terrorismo) e detenção de arma proibida.

Segundo o plano desmantelado pela PJ, a ação terrorista concebida pelo jovem João Carreira, de 19 anos, estava marcada para 11 de fevereiro deste ano.

Após ser detido, João Carreira ficou em prisão preventiva, tendo a medida de coação sido substituída por internamento preventivo no Hospital Prisional de Caxias.

Recomendadas

Tribunal de Coimbra julga ex-agente da PSP acusado de falsificar escalas de colegas

O ex-agente da PSP José Nogueira, condenado a 11 anos de prisão por assaltos a residências, regressa na segunda-feira ao Tribunal de Coimbra, num processo em que é acusado de falsificar escalas de colegas para receber pagamentos.

Meco: Supremo Tribunal de Justiça aceita recurso da defesa das famílias das vítimas

O Supremo Tribunal de Justiça (STJ) aceitou o recurso de revista excecional da defesa das famílias das vítimas que morreram na praia do Meco, em 2013, após a Relação de Évora ter considerado em julho o recurso improcedente.

Angola. Interpol confirma alerta vermelho para Isabel dos Santos

Desta forma, pede-se às autoridades policiais globais que localizem e prendam provisoriamente a filha do ex-presidente de Angola. A Lusa tinha avançado a 18 de novembro que a Interpol havia emitido um mandado de prisão internacional para dos Santos, mas a Interpol disse à “Reuters” que emitiu um aviso vermelho a pedido das autoridades angolanas.
Comentários