Ministra da Agricultura: OE 2020 “permite desenvolver uma agricultura ainda mais sustentável, competitiva e inovadora”

Salienta também o Ministério da Agricultura que será prosseguido o Programa Nacional de Regadios, salientando-se, neste âmbito, o lançamento de obras que permitirão alargar a área de regadio em 50 000 ha.

A Ministra da Agricultura, Maria do Céu Albuquerque, garante que o Orçamento do Estado para 2020 “permite responder aos desafios inerentes ao desenvolvimento de uma agricultura ainda mais sustentável, ainda mais competitiva e ainda mais inovadora”.

Verificando-se que a despesa total do Programa Orçamental para a Agricultura, em 2020, aumenta 26,9%, face à execução de 2019, e que a despesa efectiva cresce 31,3%, destaca-se ainda que será dada continuidade à execução do Programa de Desenvolvimento Rural – PDR 2020, instrumento fundamental para o desenvolvimento da agricultura portuguesa, nomeadamente pelo prolongamento, na totalidade, das medidas agroambientais que se aplicam em metade da superfície agrícola portuguesa, pode ler-se numa nota de imprensa enviada pelo Gabinete de Maria do Céu Albuquerque.

Pode continuar a ler o artigo aqui.

Recomendadas

Oceanos. Presidente da República destaca papel pioneiro de Portugal nas renováveis

“No caso de Portugal, fomos pioneiros em muitos campos, como as renováveis. Quando começámos a substituir outras formas de energia alguns disseram éramos tolos, não éramos, agora queremos antecipar as metas internacionais”.

DGRM vai promover venda de 743 quilos de alabote congelado que foi apreendido

Para participar da venda, cujo valor mínimo é de 2.125 euros, pressupõe-se a prévia aceitação das condições estipuladas e envio de proposta até ao dia 13 de maio de 2022.

Marcelo elogia Cavaco e aponta Conferência dos Oceanos como “oportunidade única”

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, elogiou esta segunda-feira o seu antecessor, Aníbal Cavaco Silva, considerando que deu “projeção cimeira ao mar”, e apontou a Conferência dos Oceanos como uma “oportunidade única” para Portugal.
Comentários