Ministra da Coesão diz que Portugal precisa de aumentar produção de energia limpa

A ministra da Coesão Territorial salientou hoje que o caminho nacional de médio e longo prazo na área da energia passa por aumentar a produção e a oferta do fornecimento a partir de fontes não poluentes.

Cristina Bernardo

“Além dos apoios diretos [do Estado], o caminho para as empresas vai ter de ser mesmo o de aumentar a oferta de energia limpa. Todos os apoios que temos no Plano de Recuperação e Resiliência (PRR) e Portugal 2030 vão nesse sentido”, disse Ana Abrunhosa, em Penela, no distrito de Coimbra.

A governante, que falava aos jornalistas no final de uma visita à empresa de metalomecânica SIRL, uma das maiores fabricantes mundiais de betoneiras, referiu que aquele é “o único caminho que existe, sob pena de o país ficar dependente de países cuja geopolítica é instável”.

A ministra da Coesão Territorial disse que verifica com agrado que, nos últimos tempos, a produção de energia elétrica limpa tem vindo a aumentar no país, “com a vantagem de os territórios do interior serem os mais adequados para produzir energia a partir de fontes limpas”.

“Essa é também uma grande oportunidade para estes territórios do interior, onde temos solo e recursos disponíveis para produzirmos energia a partir de fontes limpas, porque não há pacote que apoie se não fizermos o caminho de produzir energia de fontes renováveis”, sublinhou.

Sobre o pacote de ajudas às empresas para ajudar a minimizar os impactos da subida dos preços da energia e da inflação, Ana Abrunhosa reiterou que o Governo aguarda pela reunião de sexta-feira da União Europeia para depois apresentar um conjunto apoios, como foi feito para a população.

“Preocupa-nos muito as empresas que consomem gás, em que a SIRL é um dos exemplos, com os custos a quintuplicarem de 3.000 euros mensais para 15 mil”, frisou, recordando que o Governo já tem uma medida de apoio para os grandes consumidores, “embora tenha sido referido que é insuficiente”.

Segundo a governante, depois de se perceber o que será feito a nível da União Europeia, continuar-se-á a trabalhar no pacote de apoio às empresas, que vai complementar o pacote de apoio às famílias, sempre com a preocupação de que as “medidas não provoquem inflação”.

Nascida numa garagem com 25 metros quadrados, em 1988, a SIRL, situada na zona industrial de Penela, está distribuída por cinco unidades fabris e emprega cerca de 150 pessoas, das quais 40% são mulheres.

Com uma faturação de 32 milhões de euros anuais, exporta mais de 70% da sua produção para 88 países de todos os continentes mundiais e prepara a construção de uma sexta unidade para produzir uma betoneira inovadora, com carro de transporte acoplado.

Recomendadas

Portugal está na frente na diretiva sobre plásticos de uso único

“Portugal está no pelotão da frente porque já transpôs grande parte” da diretiva e propôs até medidas bastante ambiciosas, por exemplo, em termos de redução de copos de bebidas e embalagens de plástico para ´take away´ (redução de 80% até final de 2026 e de 90% até 2030, tendo por referência os valores de 2022), diz o comunicado da Zero.

Ministro do Ambiente: Combater as alterações climáticas “é lutar pela nossa soberania”

“Hoje, lutar pelas alterações climáticas também é lutar pela competitividade da economia. Hoje, lutar pelas alterações climáticas também é lutar pela nossa soberania, pela nossa menor dependência do estrangeiro”, considerou Duarte Cordeiro.

Rui Godinho: a água tem um “papel central nas nossas vidas e nas sociedades”

De acordo com o presidente do conselho diretivo da APDA (Associação Portuguesa de Distribuição e Drenagem de Águas), a gestão deste bem essencial deve levar em consideração a importância da “qualidade de vida” e do “desenvolvimento do país”.
Comentários