Ministra da Economia de Espanha prevê que a inflação baixe já no segundo semestre

“A nossa análise aponta no sentido de que já passámos o ponto mais alto e que no segundo semestre vamos iniciar o caminho da desaceleração dos preços”, disse Nadia Calviño.

PEDRO SA DA BANDEIRA/PPUE

A ministra da economia (e para a transição digital) espanhola, que também vice-PM, indicou em entrevista ao jornal El País que as medidas aprovadas recentemente pelo governo de Madrid, tais como uma bonificação para o preço dos combustíveis, vão contribuir para essa descida da inflação.

Nadia Calviño garantiu na entrevista ao El País que Espanha não está numa “espiral” e que a inflação no país vizinho – e principal destino das exportações portuguesas – vai baixar “na segunda metade deste ano”. Em Espanha, a inflação atingiu os 8,4% em abril. Por outro lado, também antevê uma redução significativa da taxa de desemprego, abaixo dos 10%, em 2025.

“A nossa análise aponta no sentido de que – e ainda que possa haver picos – já tenhamos deixado o ponto mais alto e que no segundo semestre vamos iniciar o caminho da desaceleração dos preços. Todos os organismos [internacionais e nacionais], incluindo o FMI, prevêem que a inflação espanhola volte a situar-se em torno dos 2% em 2023, abaixo da média europeia”, disse.

Recomendadas

Lagarde diz que criptomoedas “não valem nada” e devem ser reguladas

“A minha avaliação é que as criptomoedas não valem nada, são baseadas em nada e não há qualquer ativo subjacente que funcione como âncora de segurança”, avisou a presidente do BCE.

Ministro alemão apela a que países da UE tenham mais disciplina em termos orçamentais

Christian Lindner defende que o prolongamento da suspensão das regras orçamentais não pode servir como motivo para os países do bloco comunitário manterem as políticas mais relaxadas quanto aos gastos públicos.
antónio_costa_silva_partex_5

Costa Silva sobre sustentabilidade: “cada sector pode adaptar-se e cortar emissões”

António Costa Silva escreveu um capítulo para o livro “101 Vozes pela Sustentabilidade”, no qual defende que cada sector de atividade pode cortar as emissões e contribuir para a luta contra as alterações climáticas.
Comentários