Ministra da Justiça não fará parte do próximo Governo se PS vencer (com áudio)

Francisca Van Dunem é a governante que mais tempo ocupou este cargo. Ministra diz que estava previsto sair numa remodelação que esteve planeada para o verão.

Cristina Bernardo

A ministra da Justiça não vai assumir o mesmo cargo no próximo Governo caso o Partido Socialista ganhe as eleições a 30 de janeiro, disse Francisca Van Dunem ao “Público”.

“Eu já estava neste Governo [apenas] até ao final da Presidência portuguesa da União Europeia [terminou em junho], era a combinação que tínhamos. Porque era suposto que houvesse uma remodelação a seguir” à presidência, afirmou a ministra.

Atualmente, Van Dunem é a governante há mais tempo no cargo, ocupando o cargo de ministra da Justiça há seis anos. “Acho que sou neste momento a pessoa que mais tempo esteve na pasta da Justiça. Temos de dar lugar a outras pessoas. E depois o meu lugar não é aqui, a minha profissão não é esta. Acho que tenho de ir para o meu lugar”.

Francisca Van Dunem é licenciada pela Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa, que terminou em 1977. Em 1979 tornou-se magistrada do Ministério Público. A ministra da Justiça foi procuradora-geral distrital de Lisboa entre 2007 a 2015, ano em que foi convidada para integrar o Governo de António Costa.

Recomendadas

Juiz recusa novas condições de fiança para o fundador da FTX

O juiz Lewis Kaplan recusou a nova proposta dos advogados para as condições de fiança de Sam Bankman-Fried.

Conselho Superior da Magistratura confirma segundo processo disciplinar a Ivo Rosa

O Conselho Superior da Magistratura (CSM) confirmou hoje que correm dois processos disciplinares contra o juiz Ivo Rosa, adiantando que o segundo resulta da “conversão de um inquérito em processo disciplinar”.

BES. Conselho Superior Magistratura valida prolongamento da instrução até março

O Conselho Superior da Magistratura (CSM) confirmou hoje que a instrução do processo BES/GES se vai prolongar até final de março, de acordo com o plano proposto pelo juiz Pedro Correia, permitindo a extensão para lá do prazo decretado.
Comentários