Ministra da Saúde: “Não haverá condescendência” do Governo contra quem quer atacar a ADSE

Em causa está a intenção anunciada por alguns grupos privados de saúde, entre os quais a José de Mello Saúde, a Luz Saúde ou Os Lusíadas, de denunciarem as convenções com a ADSE, após o instituto público ter exigido o pagamento de 38 milhões de euros por excesso de faturação relativa a 2015 e 2016.

A ministra da Saúde garantiu hoje que os beneficiários da ADSE podem estar tranquilos, sublinhando que “não haverá qualquer condescendência” do Governo com quem esteja “interessado em diminuir ou atacar” o subsistema de saúde da função pública.

“É inequívoco o apoio do Governo ao funcionamento da ADSE”, começou por sublinhar aos jornalistas a ministra da Saúde, Marta Temido, à saída de uma reunião, esta tarde, em Lisboa, com os membros do Conselho Geral e de Supervisão (CGS) da ADSE.

“Não subsiste qualquer dúvida sobre a tranquilidade para os beneficiários da ADSE de que, da parte das tutelas, do Ministério da Saúde e do Ministério das Finanças, não haverá qualquer condescendência relativamente a quem por ventura esteja interessado em diminuir ou atacar este subsistema público de saúde”, acrescentou a governante.

Em causa está a intenção anunciada por alguns grupos privados de saúde, entre os quais a José de Mello Saúde, a Luz Saúde ou Os Lusíadas, de denunciarem as convenções com a ADSE, após o instituto público ter exigido o pagamento de 38 milhões de euros por excesso de faturação relativa a 2015 e 2016.

Marta Temido salientou que o Governo quer deixar uma mensagem “bem sublinhada” de que apoia a negociação entre o Conselho Diretivo da ADSE e os prestadores privados, mas “sempre numa lógica de boas contas, de respeito pelas regras e pela legalidade”.

Questionada sobre se é possível legalmente suspender as convenções, como ameaçam alguns privados, e se o Governo vai contestar a denúncia caso avance, a ministra considerou que esta não é altura para se pronunciar sobre a questão.

“Não gostaria, neste momento, de me pronunciar sobre a suspensão de convenções, pois temos boa expectativa de que, em resultado desta negociação que irá ser feita, esse processo não seja necessário e, portanto, é prematuro estar a inquinar a possibilidade de diálogo”, defendeu a governante.

Também o presidente do CGS da ADSE, João Proença, disse ter saído da reunião no Ministério da Saúde com a “plena convicção” de que em breve serão marcadas reuniões entre a ADSE e os prestadores de saúde no sentido de se encontrar uma solução.

Para João Proença, “a solução tem de passar claramente pelo respeito pela lei e pelas convenções”, pelo que a ADSE não abdicará do pagamento dos 38 milhões de euros em causa, defendeu.

“Há coisas que não são negociáveis, que é o facto de haver preços justos, preços regulados, de haver uma atuação sem discriminações”, acrescentou o presidente do CGS, órgão onde estão representados os beneficiários, sindicatos e membros do Governo.

João Proença adiantou que o que está em causa é a fixação de preços máximos, regular os preços dos medicamentos e das próteses “e regular uma prática sistemática de autorizações prévias, como acontece nas companhias seguradoras”.

Na reunião foi ainda abordado o tema do alargamento da ADSE a outros beneficiários.

Sobre este tema, a ministra frisou que o alargamento “corresponde à expectativa de muitas pessoas que trabalham na administração pública, nomeadamente em regime de contrato individual de trabalho”, acrescentando que é uma matéria a analisar “em breve”.

Relacionadas

PremiumConsultas da ADSE nos hospitais privados aumentam 775%

As consultas dos funcionários e pensionistas públicos nos hospitais da Cuf e da Luz Saúde vão ficar mais caras em meados de abril. Os grupos privados de saúde já estão a avançar os preços das consultas que entram em vigor quando for rompido o acordo definitivo com a ADSE.

De norte a sul do país. Estas são as unidades de saúde que vão deixar de ter ADSE

Saiba quais são as unidades de Saúde que vão deixar de prestar serviços ao abrigo da ADSE a partir de meio de abril deste ano.

“ADSE não pode acabar e não vai acabar”, garante Marcelo

No dia em que o Conselho Geral da ADSE reúne com o ministério da Saúde, o Presidente da República apela ao bom senso e à capacidade de entendimento.

‘Guerra’ entre hospitais privados e ADSE deverá manter-se

“O governo é a nossa tutela, não é parte desinteressada, não é árbitro, não é moderador. É parte interessada”, explicou João Proença ao DN.
Recomendadas

Relatório secreto entregue ao Governo alerta que ADSE pode estar em risco em 2021

A ADSE pode estar em risco já a partir de 2021, segundo um relatório secreto entregue ao Governo divulgado pelo Diário de Notícias.

ADSE vai apresentar “dentro de muito pouco tempo” tabela com preços fechados

Os preços fechados vão assegurar o rigor e a transparência, defendeu a presidente do conselho diretivo da ADSE. Vários grupos privados de saúde ameaçaram recentemente suspender os acordos com a ADSE, depois de ser exigida a devolução de 38 milhões de euros por excesso de faturação.
Comentários