Ministra das Finanças mantém previsões do Orçamento para 2015

A ministra das Finanças, Maria Luís Albuquerque, desvaloriza as previsões de Bruxelas de um défice de 3,3% em 2015 e reafirmou as previsões do Governo no Orçamento do Estado (OE) para o próximo ano. “Estas previsões [do OE2015] são adequadas e vão-se materializar”, disse hoje a ministra numa visita à Parpública. A governante salienta ainda […]

A ministra das Finanças, Maria Luís Albuquerque, desvaloriza as previsões de Bruxelas de um défice de 3,3% em 2015 e reafirmou as previsões do Governo no Orçamento do Estado (OE) para o próximo ano.

“Estas previsões [do OE2015] são adequadas e vão-se materializar”, disse hoje a ministra numa visita à Parpública.

A governante salienta ainda que as previsões de Bruxelas, hoje anunciadas, “servem de orientação e não mais do que isso” e que “o Governo mantém as previsões do Orçamento de Estado para 2015”.

Segundo as previsões de outono da comissão europeia, divulgadas hoje, o défice orçamental em 2015 será de 3,3% do Produto Interno Bruto (PIB) acima dos 2,7% previstos na proposta de OE2015 apresentada pelo Governo a 15 de outubro.

A concretizarem-se as previsões de Bruxelas, em 2015, Portugal manter-se-á sujeito a um Procedimento por Défice Excessivo.

Também ao nível do crescimento económico, as previsões de Bruxelas contrariam as do Governo com a Comissão a prever um crescimento de 1,3% em 2015 contra os 1,5% previstos pelo Governo na proposta de Orçamento do Estado.

Para 2014, Bruxelas prevê um crescimento de 0,9% contra uma previsão de 1% do Governo liderado por Pedro Passos Coelho e para 2016 Bruxelas prevê que o crescimento da economia acelere para 1,7%.

OJE/Lusa

Recomendadas

Leia aqui o Jornal Económico desta semana

Leia todas as edições do Jornal Económico, na plataforma JE Leitor. Aproveite as nossas ofertas para assinar o Jornal Económico. Apoie o jornalismo independente.

Topo da Agenda: O que não pode perder nos mercados e na economia esta sexta-feira

Com a confirmação de um segundo trimestre de crescimento negativo, a Reserva Federal olhará atentamente para os dados do mercado laboral, onde continua a destacar a força e rigidez observada para argumentar contra um cenário de recessão real. Caso os dados de setembro voltem a surpreender pela positiva, como em agosto, e a inflação continue a dar sinais de não abrandar, a possibilidade de subidas ainda mais expressivas do que 75 p.b. deverá ganhar força.

Patrões vão ter majoração em 50% dos custos com aumentos salariais no IRC

No âmbito do acordo de rendimentos, o Governo decidiu propor aos parceiros sociais uma majoração em 50% dos custos com a valorização salarial em IRC. Patrões têm reclamado, note-se, medidas mais transversais.