Ministro da Defesa israelita evacua colonato e provoca cisão no Governo

O ministro da Defesa de Israel, Yoav Gallant, ordenou hoje a evacuação imediata de um novo colonato ilegal na Cisjordânia, provocando uma cisão com partido de extrema-direita na coligação governamental. A decisão de Gallant abre o primeiro cisma sobre esta questão dentro do novo Governo israelita, onde o líder do partido extremista Sionismo Religioso, Bezalel […]

O ministro da Defesa de Israel, Yoav Gallant, ordenou hoje a evacuação imediata de um novo colonato ilegal na Cisjordânia, provocando uma cisão com partido de extrema-direita na coligação governamental.

A decisão de Gallant abre o primeiro cisma sobre esta questão dentro do novo Governo israelita, onde o líder do partido extremista Sionismo Religioso, Bezalel Smotrich, obteve poderes sem precedentes dentro do órgão que regula a vida dos israelitas em território ocupado, a Coordenação das Atividades de Governo nos Territórios (COGAT).

Smotrich criticou a decisão de Gallant, alegando que a evacuação contraria instruções anteriores, e está “totalmente contra os acordos da coligação governamental”, de que o partido Sionismo Religioso faz parte.

O líder deste partido de extrema-direita ordenou à liderança do COGAT que suspendesse a evacuação do colonato, “até que seja possível manter uma conversa sobre o assunto” no próximo domingo.

O colonato foi construído por um neto de Haim Drukman – em honra deste líder espiritual do Sionismo Religioso, falecido em dezembro – nas proximidades do colonato de Migdalim, e já abriga cinco famílias.

Os fundadores deste novo colonato dizem que ele foi construído perto da estrada Transamaria para alterar a contiguidade territorial palestiniana, enquanto um neto de Drukman, Neve Schindler, sublinhou que essa foi a “melhor maneira de comemorar” a memória do seu avô.

Drukman foi um dos fundadores do movimento Gush Emumim (Bloco dos Crentes), e mais tarde aderiu à direita e à extrema-direita, onde se encontra agora o Sionismo Religioso.

Os colonatos israelitas na Cisjordânia e em Jerusalém Oriental são considerados ilegais sob a lei internacional, embora as autoridades israelitas diferenciem entre aqueles aos quais foram concedidas licenças de construção e aqueles aos quais não foram, como é o caso deste colonato agora mandado evacuar.

Antes mesmo de assumir o cargo, o primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, já tinha anunciado que “o povo judeu tem direito exclusivo e inquestionável a todas as áreas da Terra de Israel” e que tem planos para a expansão dos colonatos na Cisjordânia.

Em resposta a estes planos do Governo de Israel, a Autoridade Palestiniana alertou para o impacto dessas decisões no processo de paz, considerando que poderá travar a viabilidade de se chegar a uma solução de dois Estados.

Entretanto, a organização Médicos Sem Fronteiras (MSF) denunciou, em comunicado, “o plano de Israel para deslocar forçadamente cerca de mil residentes palestinianos de Maser Yatta”, uma área a sul de Hebron, na Cisjordânia ocupada.

A MSF pede às autoridades de Israel para colocarem um fim a este plano de expulsão dessas pessoas das suas casas, bem como para terminarem com “as medidas restritivas que impedem os palestinianos em Masafer Yatta de aceder a serviços essenciais”.

A organização considera que essas medidas têm tido “impactos muito graves na liberdade de movimento, na saúde mental e na capacidade de acesso a serviços essenciais pelos residentes nas aldeias daquela área, incluindo a cuidados médicos”.

Recomendadas

Congresso brasileiro toma posse, com eleiçao de líderes que definem relação com governo

Vencerá a eleição no Senado o candidato com 41 ou mais votos de um total de 81 senadores.

Receitas dos casinos de Macau atingem valor mais elevado desde início da pandemia

As concessionárias em Macau têm acumulado desde 2020 prejuízos sem precedentes e o Governo tem sido obrigado a recorrer à reserva extraordinária para responder à crise, já que cerca de 80% das receitas governamentais provêm dos impostos sobre o jogo.

Brasil gerou dois milhões de empregos no ano passado, menos do que em 2021 (com áudio)

O Brasil, a maior economia da América Latina, gerou 2.037.982 empregos formais em 2022, 26,6% menos do que os criados em 2021, disse esta terça-feira o governo.
Comentários