Ministro da Economia disponível para ouvir ativistas climáticos

“É um facto que tive uma carreira nas indústrias do petróleo e particularmente na empresa Partex, mas nunca defendi nos últimos 20 anos o maior uso do petróleo. Pelo contrário”, afirma António Costa Silva.

Cristina Bernardo

O ministro da Economia afirmou-se solidário com os movimentos climáticos e defendeu que nos últimos 20 anos não foi apologista de maior uso do petróleo, considerando que as manifestações são legítimas e mostrando disponibilidade para reunir-se com os ativistas.

Em declarações à Lusa, o ministro da Economia e do Mar, António Costa Silva, disse estar solidário com movimentos climáticos, com os quais afirma partilhar as preocupações.

No entanto, em reação ao pedido da sua demissão pelos ativistas, o governante argumentou: “Em todo o meu percurso ao longo de 20 anos não só fui um defensor das energias renováveis, como agora no Governo estamos a potenciar a aplicação dessas energias e a desenvolver tudo para que a transição energética funcione”.

“É um facto que tive uma carreira nas indústrias do petróleo e particularmente na empresa Partex, mas nunca defendi nos últimos 20 anos o maior uso do petróleo. Pelo contrário, mesmo dentro da Partex, o que defendi foi a diversificação da companhia com a aposta crescente nas energias renováveis e a Partex, com a sua acionista na altura — a Fundação Calouste Gulbenkian –, foram um dos principais investidores no ‘cluster’ de energias renováveis que se desenvolveu em Portugal”, justificou.

António Costa Silva recordou que desde o início, quando o país desenvolveu esta aposta, tomou uma posição pública, “muitas vezes contracorrente contra a opinião dominante”, a defender as energias renováveis.

O ministro recordou algumas das medidas nas quais o Ministério da Economia está a trabalhar.

“Estamos muito comprometidos com a meta defendida pela União Europeia que até 2035 vai banir o uso de carros que utilizem o motor de combustão interna em todo o espaço europeu. Estamos muito empenhados na transição para a mobilidade elétrica. O Plano de Recuperação e Resiliência tem uma componente muito forte relativamente à descarbonização da indústria. Já foram lançados dois avisos e estamos a trabalhar com as companhias. Algumas das mais poluentes para a rota da descarbonização”, exemplificou.

O ministro da tutela sublinhou ainda estar, em articulação com outras áreas do Governo, a trabalhar para atrair para Portugal algumas das companhias internacionais que fabricam baterias de grande dimensão para suportar esta transição para a mobilidade elétrica.

Quando questionado sobre o momento na marcha pelo clima, no sábado, em que dezenas de manifestantes invadiram um edifício em Lisboa, onde decorria um evento privado onde estava, António Costa Silva considerou a manifestação “absolutamente legítima”.

“Os jovens estavam a manifestar-se, não houve de facto possibilidade de encetar qualquer tipo de diálogo naquelas condições, mas estarei sempre pronto para dialogar com os jovens, explicar o que estamos a fazer, ouvir as suas opiniões e incorporá-las em tudo o que estamos a sistematizar em termos das políticas públicas. Sou um homem de diálogo”, afirmou.

Apesar de recordar que o Ministério da Economia não tem a gestão do ambiente e da energia e que, por isso, terá de ser feito em articulação, garantiu ter disponibilidade para o fazer.

“Não temos nenhuma reunião agendada a esse nível, mas penso que temos de ser construtivos e trabalhar em conjunto para ver o que é possível fazer e acelerar ainda mais esta transformação”, reafirmou.

O governante sublinhou que em consonância com o que tem dito ao longo dos últimos 20 anos, “a deterioração do sistema climático da terra é uma das maiores ameaças que existe para o futuro”.

“Não podemos hipotecar o futuro e vejo com muitos bons olhos estes movimentos e sou solidário com as preocupações que eles manifestam. Penso que são absolutamente positivos porque alertam a sociedade e os decisores para acelerarmos as nossas respostas”, disse.

Recomendadas

Guia para gestão de Áreas Marinhas Protegidas quer ser “ferramenta útil”, afirma investigador

O “Guia de Boas Práticas para a Gestão e Monitorização de Áreas Marinhas Protegidas”, apresentado hoje, pretende ser “uma ferramenta útil” e simples para as pessoas que trabalham na área, disse um dos autores do documento à agência Lusa.

PremiumCOP27: economia fica sempre à frente dos interesses do planeta

A guerra, a inflação, os preços das energias tornaram a opção pela produção sustentável um luxo a que as economias não se podem dar. A guerra das Nações Unidas terá de ficar para mais tarde.

Pelo menos 238 mil pessoas morreram devido à poluição do ar em 2020, revela relatório

A poluição do ar provocou a morte de, pelo menos, 238 mil pessoas na União Europeia (UE), em 2020, mais do que no ano anterior, segundo um relatório da Agência Europeia do Ambiente (EEA, na sigla em inglês), hoje divulgado.
Comentários